Box Modernismo: do Surgimento no Mundo à Explosão do Movimento no Brasil - @FaroEditorial

postado dia 07 dezembro 2021

Título Original: Modernismo — do surgimento no mundo à explosão do movimento no Brasil
Autor: Mário de Andrade e Otto Maria Carpeaux  
Páginas:  498
Gênero: Literatura Brasileira / Pesquisa
Ano: 2021 
Comprar: Amazon

Sinopse: Para quem deseja conhecer mais sobre o movimento modernista, que impulsionou a Semana de Arte Moderna em 1922. Em comemoração ao centenário da Semana de Arte Moderna de 1922, a Faro Editorial lança uma coleção fundamental para entender não só o evento ocorrido na cidade de São Paulo, mas as escolas vanguardistas do início do século XX na Europa, nos Estados Unidos e na América Latina. O primeiro volume traz As revoltas modernistas, de Otto Maria Carpeaux. O texto faz parte da principal obra do crítico: História da literatura ocidental. Carpeaux expõe um conhecimento enciclopédico a respeito das escolas de vanguarda, contextualizando a vida e obra dos escritores nos movimentos modernistas. O segundo volume reúne dois livros de Mário de Andrade: Pauliceia Desvairada e Amar, Verbo Intransitivo. Aqui, o leitor tem a oportunidade de conhecer um livro de poesia e um romance do principal escritor modernista brasileiro. Nas duas obras estão presentes os elementos do modernismo que iriam influenciar as gerações futuras de autores nacionais. (FONTE)


Oieeee, gente! Tudo bem? 

Eu sou professora de português e amante da nossa literatura, então logo que vi esse lançamento incrível sobre Modernismo, fiquei logo ansiosa para ter um exemplar desse box em minhas mãos! Lançado pela Faro Editorial, o box modernismo é uma viagem pelas revoltas modernistas na América Latina e na Europa, um contexto para mostrar as influências que chegaram até a famosa Semana de Arte Moderna no Brasil em 1922, além disso o segundo livro se propõe a mostrar mais do importantíssimo autor Mário de Andrade e duas obras dele.



O box se constitui de dois volumes:

  • Livro 1: As revoltas Modernistas 
  • Livro 2: Mário de Andrade e a Semana de Arte Moderna

O livro dois contêm duas obras de Mário de Andrade: 'Pauliceia Desvairada' e 'Amar, Verbo Intransitivo'. 
'Pauliceia Desvairada' é um livro de poemas que faz reflexões sobre o crescimento da cidade de São Paulo e seu ritmo frenético, além de fazer críticas à elite. O livro é de leitura rápida, mas não tão fácil, justamente pela linguagem e os anseios do eu-lírico e os poemas ganham uma sequência que fazem com que o leitor se sinta realmente inserido em cada verso, mas alguns outros podem não parecer tão claros, a interpretação é muito pessoal e apesar de ter gostado (já li há muitos anos, foi uma releitura) nem todos os poemas foram fáceis de ser compreendidos.


O outro livro presente dentro desse volume (relembrando: o box tem dois livros, um dele tem duas obras de Mário de Andrade) é 'Amar, Verbo Intransitivo' que narra a história de uma professora alemã que vai trabalhar para uma família brasileira que tem princípios cristãos e que, na verdade, contratou a mulher para fazer a iniciação da vida sexual de Carlos, o filho mais velho da família. Não me aprofundarei no enredo, mas posso dizer esse livro com duas obras de Mario de Andrade agrega muito valor a esse box!

O livro 'As revoltas Modernistas' é uma viagem pelo mundo e o Modernismo, vário aspectos do Modernismo, muitos pontos são abordados e já adianto que não é exclusivamente sobre o Modernismo Brasileiro, ele vai pelo mundo todo, vejam alguns dos tópicos abordados:
  • Os pré-expressionistas
  • cubistas
  • futurismo italiano
  • Kafka
  • Realismo 
  • Revolução na Rússia
  • Poesia espanhola e muitos outros temas 

Gostei do box, a edição está bem bonita e contém várias fotos ao longo das páginas. Acredito que ele será interesse de um público-alvo, pessoas interessadas na história da Literatura, professores, historiadores, mas ele com certeza atende a pessoas que queiram aprender mais sobre a temática. Como professora de Português e Literatura, a obra foi enriquecedora e agregou em meus estudos atuais, confesso que eu queria um pouco mais sobre o Modernismo Brasileiro e os inúmeros escritores desse período, mesmo assim o box foi bem esclarecedor.

E aí, ficou com vontade de ler?
Conta aí!

NOTA: 

Otto Maria Karpfen (Viena, Áustria, 1900 - Rio de Janeiro, RJ, 1978). Ensaísta e jornalista. Filho do advogado e pianista judeu Max Karpfen e da violonista católica Gizela Schmelz Karpfen. Aos 20 anos ingressa na Faculdade de Direito da Universidade de Viena. Obtém, em 1925, o título de doutor em letras e filosofia e inicia trabalho como jornalista. Intelectual ativo, estuda ciências matemáticas em Leipzig, Alemanha, sociologia em Paris, literatura comparada em Nápoles, Itália, e política em Berlim. Tempos depois, por opor-se ao regime nazista em ascensão na Alemanha, é perseguido e foge, em 1938, para a Antuérpia, Bélgica, onde trabalha no periódico Gazet van Atwerpen. Com a eclosão da Segunda Guerra Mundial (1939-1945) vem para o Brasil, em 1939. Chega ao Paraná com sua mulher, a cantora lírica Helena Carpeaux, e depois vai para São Paulo. Conhecedor de diversos idiomas, aprende o português em menos de um ano. Transforma seu sobrenome original, Karpfen, em Carpeaux (francês) - ambos significam carpa -, por considerá-lo mais prestigioso entre os intelectuais brasileiros. Muda-se, em 1940, para o Rio de Janeiro. Em 1941, precisando urgentemente de trabalho, envia uma carta ao crítico Álvaro Lins (1912-1975), oferecendo um artigo sobre o escritor tcheco Franz Kafka (1883-1924), que conhece pessoalmente na Europa. O artigo é aceito e então passa a colaborar no jornal carioca Correio da Manhã. Em 1942, torna-se diretor da biblioteca da Faculdade Nacional de Filosofia, e publica seu primeiro livro em língua portuguesa, A Cinza do Purgatório. Assume a direção da biblioteca da Fundação Getulio Vargas (FGV), em 1944, cargo que ocupa até 1949. Sua maior e mais conhecida obra é a História da Literatura Ocidental, escrita entre os anos de 1941 e 1947 e publicada em oito volumes, entre 1959 e 1966. Trabalha, a partir de 1950, como redator editorialista do Correio da Manhã. Em 1968, anuncia o fim de sua carreira literária e promete dedicar o resto de seus dias à luta política, fazendo oposição ao regime militar instaurado no Brasil em 1964. Além da produção extensa de ensaios sobre literatura, publica livros sobre música, história da arte e política.(FONTE)

Comentários via Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

É muito importante para um blogueiro saber o que as pessoas tem a dizer sobre seus textos, pois sem isso nenhum blog consegue sobreviver por muito tempo! Deixe seu link (se tiver blog) para que eu possa visitá-lo também!!

Seu comentário é a minha maior fonte de respostas!!