Título Original: My favorite thing is monsters
Autor: Emil Ferris
Páginas: 416
Gênero: HQ, Comics, Mangá
Editora: Quadrinhos na Cia
Ano: 2019
Comprar: Amazon; Submarino; Americanas; Shoptime

Sinopse: A história de um assassinato misterioso, um drama familiar, um épico histórico e um suspense psicológico sobre monstros — reais e imaginados. A história em quadrinhos mais impactante desde Maus. Com o tumultuado cenário político da Chicago dos anos 1960 como pano de fundo, Minha Coisa Favorita é Monstro é narrado por Karen Reyes, uma garota de dez anos completamente alucinada por histórias de terror. No seu diário, todo feito em esferográfica, ela se desenha como uma jovem lobismoça e leva o leitor a uma incrível jornada pela iconografia dos filmes B de horror e das revistinhas de monstro. Quando Karen tenta desvendar o assassinato de sua bela e enigmática vizinha do andar de cima — Anka Silverberg, uma sobrevivente do Holocausto — assistimos ao desenrolar de histórias fascinantes de um elenco bizarro e sombrio de personagens: seu irmão Dezê, convocado a servir nas forças armadas e assombrado por um segredo do passado; o marido de Anka, Sam Silverberg, também conhecido como o jazzman “Hotstep”; o mafioso Sr. Gronan; a drag queen Franklin; e Sr. Chugg, o ventríloquo. Num estilo caleidoscópico e de virtuosismo estonteante, Minha Coisa Favorita é Monstro é uma obra magistral e de originalidade ímpar. Grande vencedor do prêmio Eisner, o mais importante do quadrinho mundial, nas categorias Melhor Álbum do Ano, Melhor Roteirista/Desenhista e Melhor Colorista. (SKOOB)

Oieee, gente! Tudo bem?

'Minha Coisa Favorita é Monstro' foi lançado recentemente pela Companhia das Letras, através do selo Quadrinhos na Cia. Um aclamadíssimo quadrinho que tem alguns prêmios, agora essa obra-prima chega ao Brasil e eu tive a honra de ler!

Essa obra me chocou de variadas maneiras, primeiramente eu não imaginava como o livro é grande, ele tem 416 páginas e tem o tamanho de um caderno de dez matérias, mas sua grandeza vai muito além disso, pois depois de ler eu realmente entendi o porquê dele ter ganhado prêmios, ser tão famoso fora do Brasil e a magnitude dessa obra me levou a pesquisar sobre a autora e de como ela escreveu esse quadrinho tão rico.


'Minha Coisa Favorita é Monstro' conta duas histórias paralelas, Karen, nossa protagonista, que se identifica como uma menina monstro e Anka, a vizinha de Karen, Anka foi assassinada e Karen decide investigar o porquê. Essa premissa se condensa em meio a Chicago da década de 60. Os acontecimentos são narrados a partir do ponto de vista de Karen, ela tem apenas 10 anos e uma visão muito aguçada de sua realidade, ela registra em um diário o que acontece, ela mostra tudo em forma de desenhos e escritos, fala de sua família, dos vizinhos, da cidade, do bullying que sofre na escola e de tudo que vive todos os dias, ao mesmo tempo ela relata sobre a investigação do assassinato de Anka, na verdade apontaram como suicídio, porém Karen tem certeza que não foi exatamente isso, ao iniciar a investigação, acompanhamos a menina monstro e detetive descobrir que na sociedade existem monstros bons e monstros ruins e que eles estão mais perto do que ela imagina.


O livro é o diário ilustrado de Karen, ela registra toda a sua percepção sobre a realidade, enquanto investiga sobre a vizinha morta, consegue ter acesso à vida de Anka ainda criança por meio de uma gravação em áudio, somos inseridos em um período cruel: o Holocausto nazista. Confesso que essa parte do livro é de partir o coração e que precisei ler mais de uma vez para conseguir entender e digerir, Anka enfrentou situações de abusos, prostituição, tráfico de crianças, pobreza, ritos satânicos e campos de concentração, tudo isso é descrito e desenhado com uma carga emocional tão forte, que por vezes parei a leitura a fim de refletir, nunca imaginei que um quadrinho poderia ter esse impacto sobre mim, confesso que li poucos na minha vida.


Ver o mundo através dos olhos de uma menina que se identifica como uma monstra foi extremamente diferente, me vi tomada por sentimentos diversos ao observar como nossa personagem ia vendo situações tão cruéis, entretanto mantinha sua infantilidade. A família de Karen é outro ponto focal, eles são personagens que aos poucos vão mostrando quem realmente são e isso pode não ser nada bom! Gostei de ver como a autora põe um tom mais pesado de emoção, apesar de ter um pé atrás com o irmão e a mãe de Karen, eles são muito bem trabalhados e é impossível não se comover com tudo que acontece, não vou me aprofundar nisso, acho interessante o leitor tirar suas próprias conclusões.


Não pude deixar de pesquisar mais sobre a autora do livro, fiquei muito curiosa para saber mais sobre a mulher por trás dessa obra, Emil Ferris. Ela trabalhava com designer dos brinquedos do Mac Lanche Feliz, mas teve uma doença e acabou perdendo os movimentos da metade de baixo do corpo e também da mão direita, isso a impossibilitou de continuar seu trabalho, nesse meio tempo ela decidiu tentar desenhar a fim de recuperar o movimento da mão e o resultado foi esse livro, ma-ra-vi-lho-so, sim, ela fez todos esses desenhos à mão (que estava semi paralisada) e utilizando canetas, lápis e canetinhas, sério, isso é impressionante! Emil é um exemplo de superação, uma curiosidade é que ela tem 53 anos e é amplamente reconhecida pela obra 'Minha Coisa Favorita é Monstro'.


E além disso tudo, a autora teve sua obra recusada por mais de 40 editoras, pois o livro original tem cerca de 800 páginas, mas calma, pois aqui no Brasil a Quadrinhos na Cia dividiu em dois volumes. Depois de algumas tentativas, ela conseguiu uma grande editora, Emil viu sua obra ser um reconhecido sucesso, 'Minha Coisa Favorita é Monstro' ganhou diversos prêmios, inclusive Eisner de melhor álbum, melhor roteiro, melhor colorista e desenhista, ou seja, esse quadrinho chega no Brasil e já vem recheado de prêmios.


A edição da Quadrinhos na Cia está caprichadíssima, eles mantiveram a capa original e no título só difere que a estrangeira "monstros" está no plural e na minha opinião isso poderia até ser mantido, pois ao longo da narrativa vemos vários "monstros", faria mais sentido, mas não chega a ser nada demais. Um aspecto que imagino ter dado bastante trabalho é o letramento do quadrinho, pois têm muitas imagens que já se misturam às letras e até mesmo desenhos com elas, isso deve ter sido muito difícil para traduzir e manter sentido, dou os parabéns porque conseguiram e ficou mais que perfeito.

Se você gosta de quadrinhos, coloque 'Minha Coisa Favorita é Monstro' em sua lista. Um livro emocionante, sincero e muito crítico, realmente merece ser lido por todos, ahhhh, já ia esquecendo de lembrar que não é um livro recomendável para crianças, existem cenas de nudez e sexo explícito, então naaaada de crianças. Espero que eu tenha conseguido expor um pouco as principais ideias desse livro, mas já adianto que ele tem muitos assuntos que realmente ultrapassariam as linhas de uma resenha, por favor leiam!
Já estou ansiosa pelo livro dois!

Um abraço e até breve!


NOTA:

Emil Ferris é uma escritora, cartunista e designer americana. Ferris estreou na publicação com graphic novel de 2017, My Favorite Thing is Monsters.                                                                                                                                                                                                              

Comentários via Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

É muito importante para um blogueiro saber o que as pessoas tem a dizer sobre seus textos, pois sem isso nenhum blog consegue sobreviver por muito tempo! Deixe seu link (se tiver blog) para que eu possa visitá-lo também!!

Seu comentário é a minha maior fonte de respostas!!