Título Original: O Dilema do Porco-Espinho: Como Encarar a Solidão
Autor: Leandro Karnal
Páginas: 192
Gênero: Literatura brasileira / Autoajuda/ Autoconhecimento / Ensaios
Editora: Editora Planeta
Ano: 2018
Comprar: Amazon

Sinopse: O poeta Vinicius de Moraes cantava 'que é melhor se sofrer junto, que viver feliz sozinho”. Será? O historiador Leandro Karnal, um dos intelectuais brasileiros que, através de seus livros, palestras e vídeos, nos ajuda a pensar o mundo contemporâneo, discute uma questão presente na vida de todos: a solidão. A partir de referências de filósofos e da própria Bíblia, de fatos históricos e de romances, ele faz uma reflexão sobre a natureza de viver só - por pouco ou muito tempo, estando ou não acompanhado. Apresenta como a solidão é encarada no cinema, na literatura, na música, nas artes. Mostra que ela pode ser iluminadora e como Deus se revela aos solitários. O mesmo Deus que, segundo Gêneses, teria dito: “Não é bom que o homem esteja só; farei para ele alguém que o auxilie e corresponda.” E expõe como se desenvolveu a tradição judaico-cristã da solidão. Em O dilema do porco-espinho, Karnal viaja pela modernidade líquida e analisa a solidão no mundo virtual e o isolamento. Discute dos amigos imaginários criados pelas crianças aos pensamentos de alguns filósofos, como Aristóteles, que dizia que a solidão criava deuses e bestas. Como a solidão é um tema que sempre o acompanhou e, segundo revela o próprio Karnal, tem crescido na maturidade, o autor escreve este livro como um ensaio pessoal. Ao dividir suas meditações, o autor convida o leitor, durante o ato da leitura, a deixar a solidão de lado e compartilhar seus pensamentos também. (SKOOB)

Oiiiiie, gente! Tudo bem?
'O Dilema  do Porco Espinho: Como Encarar a Solidão' é o lançamento do renomado escritor e historiador Leandro Karnal pela Editora Planeta. Eu sou uma leitora assídua de livros de não-ficção e esse livro estava na minha lista, pois li, esse ano, 'Conversas com um Jovem Professor' de Karnal e gostei muito, agora surge oportunidade de conhecer um pouco mais desse autor.
Karnal traz aqui um texto dividido em cinco capítulos, ressaltarei os três que mais me chamaram a atenção, mas deixo claro que todos são muito interessantes, fica só uma pequena amostra!

Não é bom que o homem esteja só

Este capítulo analisa a solidão a partir do que a Bíblia mostra, Karnal reflete sobre a criação do homem e dos animais, diz que Deus fez tudo em pares para que fosse companhia, porém Adão estava só, mas estava feliz, pois não via a solidão.
Foi Deus que viu que sua obra ficaria melhor se lhe fizesse uma mulher, o escritor mostra que esse momento foi de uma solidão inconsciente, não vista como algo negativo. A partir desse exemplo, o autor aprofunda em vários exemplos da história, enriquecendo meu conhecimento sobre pessoas importantes como Charles Darwin e sua percepção sobre estar só.

A solidão aparentemente pesa mais em um mundo onde a felicidade é uma cláusula pétrea. Nunca sorrimos tanto nas redes e nunca tomamos tantos remédios para dormir, para ser viril ou para acordar. - Pág 29

A solidão entre milhões: Rede e mundo virtual

Karnal faz um profundo questionamento sobre o mundo atual, sobre estarmos cercados de pessoas "virtuais", entretanto ao mesmo tempo sentimos o gosto da solidão. O autor cita autores muito importantes em estudos sobre a modernidade e os valores sociais, um dos citados é Zygmunt Bauman, escritor de Modernidade Líquida. Com um texto bem embasado, Karnal esclarece que usamos as redes sociais para nos conectar, mas infelizmente ela também nos afasta de quem realmente está do nosso lado no dia a dia. Além disso, a internet tem trazido alguns problemas, um explanado pelo autor é o cyberbullying, achei muito válido, pois é um tema atual e que precisa ser discutido.

Solidão, solitude e livros

Meu capítulo preferido do livro discorre sobre como a solidão influenciou na produção de grandes obras, ele também fala desses sentimentos nos personagens de algumas obras de relevância mundial.

A leitura de bons livros que nos possibilitaria conhecimento, introspecção inteligente e boa companhia vem perdendo adeptos... Diante de um livro aberto, colocamo-nos como viajantes prestes a embarcar em um porto de possibilidades. - Pág 60 
São mencionadas várias obras, além de mostrar o enredo e fazer uma breve análise da narrativa, Karnal fala de O conde de Monte Cristo, Hamlet, Dom Quixote, Robinson Crusoé, Moby Dick, O morro dos ventos Uivantes , Paixão de G.H e outras tantas obras literárias. O autor fala tão bem das obras que minha lista de desejados aumentou, Karnal tem bastante domínio sobre as obras e isso me deixou tão encantada, dá para perceber o amor dele ao falar de livros e nós leitores ficamos de coração tão quentinho ao tocar nesse assunto!

Por que escritores, através dos séculos, escolhem falar de solidão em suas obras? Pra o cineasta Orson Welles, a resposta era a frase pessimista "o homem nasce só, vive só e morre só. O amor e a amizade dão-nos a ilusão, momentaneamente, de não estarmos só." - Pág 58
'O Dilema  do Porco Espinho' é um livro muito interessante que o principal tema é a solidão em suas mais variadas facetas (vingativa, criativa, intelectual...), mas ao longo do livro temos assuntos ligados à tecnologia, história e literatura, aprendi muito sobre a vida de muitos autores e autoras que se sentiam solitários, aprendi sobre manipulação nas redes sociais e tantos outros temas atuais e importantes, recomendo muito, pois a linguagem fluída e o conteúdo interdisciplinar encantam o leitor. O único aspecto que me desagradou um pouco foi que alguns assuntos não foram aprofundados, mas acho que foi por conta do livro ser bem curto, acredito que merecia mais algumas páginas, seria mais interessante!

E você, já conhece Leandro Karnal?
Ficou com vontade de ler? Me conta tuuuudo!


NOTA:

Leando Karnal é um professor, escritor e palestrante brasileiro. Graduado em História pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (RS) e Doutor em História Social pela Universidade de São Paulo (USP). Possui pós doutorados pela UNAM, México, e pelo CNRS de Paris. Sua formação cruza História Cultural, Antropologia e Filosofia.É autor de livros que tratam sobre a história dos países, como História dos Estados Unidos (Contexto, 2007) e sobre o ensino de História, como História na sala de aula – conceitos, práticas e propostas (Contexto, 2003) e Conversas com um jovem professor (Contexto, 2012). É membro do conselho editorial das principais publicações acadêmicas da área na UNICAMP (revistas Ideias, Cadernos Pagu e História Social) e da UNISINOS (revista História). Foi também curador de diversas exposições, como A Escrita da Memória, em São Paulo. Colaborou na elaboração curatorial de museus, como o Museu da Língua Portuguesa em São Paulo.

Comentários via Facebook

2 comentários:

  1. Adorei sua resenha! Ainda mais ao final quando li algo sobre amizade, cujo a qual, Kanal já havia levantado em um café filosófico, sobre a servidão voluntária. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! Karnal é realmente sensacional! Obrigada por me apresentar esse maravilhoso autor, viu Marcelo. <3 Obrigada por vir comentar, amigo!

      Excluir

É muito importante para um blogueiro saber o que as pessoas tem a dizer sobre seus textos, pois sem isso nenhum blog consegue sobreviver por muito tempo! Deixe seu link (se tiver blog) para que eu possa visitá-lo também!!

Seu comentário é a minha maior fonte de respostas!!