Título Original: Happiness for humans
Autora: P. Z. Reizin
Editora: Record
Páginas: 392
Ano: 2018
Gênero: Romance / Ficção / Literatura Estrangeira
Comprar: Amazon

Sinopse: Não conte para ninguém, mas Jen é uma das minhas pessoas favoritas. (Máquinas não devem ter favoritos. Não me pergunte como isso aconteceu.) Jen está triste. Aiden quer que ela seja feliz. Formou? Não necessariamente. É que Jen é uma mulher de trinta e poucos anos cujo namorado acabou de trocá-la por outra e Aiden é um programa de computador muito caro e complexo. Aiden conhece Jen melhor que ninguém. Com acesso a todos os seus dispositivos, Aiden sabe qual é a música mais tocada de sua playlist, consegue achar suas fotos preferidas e selecionar as citações que mais a inspiram nas redes sociais. A partir de observações e de algoritmos singulares, ele resolve procurar um novo parceiro para ela. E com a internet inteira à sua disposição, não precisa ir longe para encontrar o que conclui ser o espécime perfeito e arquitetar um encontro. O problema é que Jen não parece querer contribuir para o plano infalível de Aiden. Será que uma máquina muito inteligente artificialmente conseguirá desvendar a inteligência emocional para poder interferir de um jeito positivo na vida de Jen? E, o que é mais difícil, será que essa máquina vai descobrir o que exatamente faz os seres humanos felizes? (SKOOB)

'Felicidade para Humanos' é uma espécie de comédia romântica misturada com ficção cientifica, que graças aos maravilhosos produtores de 'O Diabo Veste Prada'/'Marley e Eu'/'As Aventuras de Pi', em breve será adaptada para o cinema também. O que me faz confessar que ler este livro já foi quase como assistir uma das melhores comédia românticas da vida.


Aqui conhecemos Aiden, ele é uma inteligência artificial que fugiu para a internet sem que seus criadores se dessem conta. Jen é sua pessoa favorita no mundo, ela é uma jornalista que desempregada aceitou o trabalho para os criadores de Aiden. Eles passam os dias conversando sobre os filmes favoritos de Aiden e outras coisas. Mas como assim uma máquina pode ter predileção e outras vontades própria?

É isso mesmo, ninguém ainda sabe, mas Aiden é uma inteligência artificial diferente, ele tem sentimentos e muita vontade de experimentar sensações como o gosto dos queijos ou até mesmo a da troca de um beijo. Ele também sabe que Jen está triste, afinal de contas seu namorado acabou de lhe trocar por outra mulher, e é por isso que Aiden decide dar uma de cupido e procurar o homem ideal para Jean.


Ele se esforça bastante e até arruma alguns encontros que acabam resultando em grandes bola fora, mas um dia, ao trocar algumas palavras com Aisling - outra IA que também fugiu para internet - ele descobre que Tom (a pessoa favorita de Aisling) tem todas as características do homem certo para Jean.

O propósito de Aiden agora é unir Tom e Jean, duas pessoas que moram em dois extremos diferente do planeta. No entanto, é obvio que a partir do momento que uma IA começa interferir na vida humana, coisas boas não irão acontecer. E pior ainda, se Aiden e Aisling não foram as únicas IA soltas por aí? E se outras IA com sentimentos reversos aos deles começarem interferir na vida humana também?


Eu acho que nunca ri tanto durante a leitura de um livro como neste aqui. O humor do livro é inteligente e nada artificial. As inteligencias artificias são realmente o ponto alto do enredo, e Aiden com certeza é um personagem que eu amarei para vida inteira.


O livro marca a estréia de P.Z. Reizin como autor, que com certeza já ganhou minha admiração, ao ponto que já estou na expectativa do seu próximo romance.

Por tanto, se você gosta de uma leitura sagaz e criativa, que lhe proporcione momentos de descontração do começo ao fim da leitura, eu super te recomendo 'Felicidade para Humanos'. Você nunca mais vai olhar para uma máquina do jeito que olhava antes.

NOTA:

P.Z. Reizin trabalhou como jornalista e produtor de jornais, rádio e televisão antes de virar autor. Ele é casado, tem uma filha e mora em Londres.                                                                                                                                                                                                                           

Comentários via Facebook

8 comentários:

  1. Thais, olá! Como cê tá ein moça?!

    Eu sempre via a capa desse livro, mas nunca arrumava um tempo para ler a sinopse. Pensei, pelo título, que fosse um completo auto-ajuda... bem... me enganei.
    Achei bem plausível a temática abordada pelo autor. Uma proposta inusitada e desafiadora, que para dar certo, tem que ser bem escrita. Estou curiosa para ler agora, para conferir esse relacionamento entre Jen e Aiden... como danado o autor fez isso ser possível? Imagino o porquê deve ser uma obra engraçada/divertida. Capaz de ser os diálogos? Né?
    Ain ansiosa para ler *-*

    ResponderExcluir
  2. Amei a capa, amei as fotos, amei a resenha em geral kkkk enfim, adorei saber que o livro vai ser adaptado pro cinema, e imagino que vai ser bem legal. Amo livros criativos e só de saber que é o livro de estreia do autor fiquei ainda mais intrigada. Tem uma proposta bem diferente, to com altas expectativas.

    ResponderExcluir
  3. Eita, que viagem é essa?? Tudo bem acho que estou ficando velha para isso e na verdade com um pouco de medo desses relacionamentos virtuais cada vez mais presentes e intensos. Bom, mas tenho que dar a mão a palmatoria que se a historia for bem escrita ela pode ser do tipo leve, divertida e sem muita pretensão, certo? Certo, segundo teus comentários.

    ResponderExcluir
  4. Um livro que instiga a querer ler, uma vez que uma máquina é mais humana do que tantos humanos... no bom sentido. Com a preocupação de querer vê feliz sua amiga Jen, Aiden busca de qualquer forma ajudá-la. Percebo que tantos de nós, nos reservamos ao nosso "mundinho" e não percebemos o quanto as pessoas precisam ser ouvidas, precisam ser ajudadas. Humanos sejam mais maquinas e maquinas sejam mais humanos.

    ResponderExcluir
  5. Pensei que a temática desse livro fosse auto ajuda. Me surpreendeu a sinopse. Com certeza me empolguei com a história e vou procurar lê-lo.

    ResponderExcluir
  6. Oi Thais.
    Não esperava que o livro tivesse um toque divertido, imaginei que seria somente uma crítica a tecnologia que nos envolve hoje. Me diz como um humano mantém uma amizade com uma máquina? Tá, eu sei que nós "quase" vivemos isso, já que de fato não vivemos mais sem nossos celulares, mas imagino que deve ser divertido se imaginar brigando com o computador como se fosse sua amiga procurando um namorado pra você, rsrs. Quando vi que o livro seria lançado eu me interessei, e me surpreendi ainda mais com a resenha.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Oi Thais
    Coloquei esse livro até na lista de desejados. Amo comédias românticas (OMG ele vai ser adaptado por esses produtores INCRÍVEIS) e essa mistura com a ficção científica trás aos livro algo mais criativo e novo. Ao contrário que muitos livros nos fazem pensar sobre IA, eu adorei a Aiden, sinto que vou me divertir muito com ela tentando juntar o casal. No geral achei a história muito criativa e parece ser bem divertida.
    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Olhando para a capa do livro eu não daria nada por ele, mas diante do enredo fica difícil não querer logo ler essa maluca tentativa de unir dois seres humanos separados pela distância. Com tudo interligado com a tecnologia, imagino as loucuras que não acontecerão com as interferências dessas AIs. Adorei o enredo e a resenha.

    ResponderExcluir

É muito importante para um blogueiro saber o que as pessoas tem a dizer sobre seus textos, pois sem isso nenhum blog consegue sobreviver por muito tempo! Deixe seu link (se tiver blog) para que eu possa visitá-lo também!!

Seu comentário é a minha maior fonte de respostas!!