Titulo Original: The Problem With Forever
Autora: Jennifer L. Armentrout
Editora: Galera Record
Ano: 2017
Páginas: 392
Gênero: Romance, Ficção, Jovem-Adulto, Literatura Estrangeira
Comprar: Amazon

Sinopse: Mallory viveu muito tempo em silêncio. Mas o destino lhe reserva um novo desafio. E ela percebe que está na hora de encontrar a própria voz Já na infância, Mallory Dodge percebeu que só poderia sobreviver se ficasse calada. Teve que aprender a ficar o mais quieta possível. Aprendeu a passar despercebida. A se esconder. Mas agora, após ter sido adotada por pais amorosos e dedicados, ela precisa enfrentar um novo desafio: sobreviver ao último ano do Ensino Médio numa escola de verdade. O que Mallory não imaginava é que logo no primeiro dia de aula daria de cara com um velho amigo que não via desde criança, quando viviam juntos no abrigo. E começa a notar que não é a única que guarda cicatrizes do passado, além de uma paixão adormecida e inevitável. (SKOOB)

Quando decidi ler 'O Problema do Para Sempre', não fazia ideia que a autora Jennifer Lynn Armentrout (ou J. Lynn) era a mesma de livros que estão na minha lista de desejados faz tempo. O que me chamou a atenção logo de cara foi a sinopse e todo esse lance de reencontro, adoro enredos com amores perdidos que recebem uma segunda chance, no entanto tive certa dificuldade com essa leitura em alguns momentos.


'O Problema do Para Sempre' foi lançado em 2017 no Brasil pela editora Galera Record. Aqui conhecemos Mallory e Rider, duas crianças órfãs que tiveram que passar por momentos muito cruéis enquanto moravam em um certo lar adotivo.

Rider sempre tomou conta e protegeu Mallory, ele a escondia no armário e a dizia para ficar quietinha, assim acabava levando as broncas e surras no lugar da menina. Carinhosamente Rider a apelidou de 'Ratinha', ele também lia para distrai-la e graças a ele nada de mais grave acontecia á Mellory. Até que em um dia o garoto não pode protege-la totalmente, e a garota viveu um dos piores traumas da vida, que a fez viver em silêncio por muito tempo daí por diante.
Tudo bem. Lembra? Prometi que a manteria segura para sempre. Basta não fazer barulho.
Dizem que quando coisas muito ruins acontecem é porque a algo bom está por vir, e esse episódio colocou Mallory na vida de Rosa e Carl, um casal de médicos que a adotou e deu a ela um novo recomeço. Mas isso também fez com que Mallory e Rider fossem afastados um do outro, no entanto, depois de anos tendo aulas particulares em casa, a garota e seus pais decidiram que ela deveria ter seu ultimo ano do ensino médio em uma escola de verdade, para que não estranhasse tanto a faculdade, e é exatamente no seu primeiro dia de aula que ela da de cara com ninguém mais ninguém menos que Rider.

O problema é que agora Mallory se tornou uma pessoa totalmente tímida e retraída, o colégio, as pessoas e falar em publico é algo fora da sua zona de conforto, mas Rider está lá para novamente ajudar e não deixa-la surtar com as coisas que tanto a perturba, pois como ele mesmo prometeu um dia: a manteria segura para sempre.


A narração de J. Lynn me fez avançar por várias páginas do livro logo no começo, eu estava bem entusiasmada pelo momento do reencontro entres os dois protagonistas, mas confesso que depois que isso aconteceu as coisas ficaram um tanto quanto paradas. Por um lado eu entendo que Jennifer Lynn estava construindo a ambientação do enredo em questão, por isso algumas cenas monótonas eram necessárias para nos apresentar cada personagem, e lá na frente entender o significado deles no enredo. Isso de certa forma foi muito bom, pois todos ali tiveram sua importância na leitura.

A questão é que o que Mallory e Rider viveram no primeiro lar adotivo não foi despejado na leitura logo de começo, então tinha ali todo o indicio de algo traumático, mas ao mesmo tempo eu não sabia exatamente qual era esse fato. Eu até gosto desse ar de mistério, no entanto chega uma hora que passa a incomodar, e no meu caso me incomodou bem.


Rider não teve o mesmo privilégio que Mallory, e foi adotado por uma senhora pobre que precisava da ajuda financeira do sistema de ação para sustentar sua família, por isso ela sempre adotava um garoto para morar com ela e seus dois netos, Jayden e Hector, que por sinal foram personagens que eu me afeiçoei muito na estória.


Existe uma química forte entre o casal protagonista logo de cara, só que coisas como a namorada de Rider e os pais de Mallory, fazem com que o romance entre ambos seja algo bem complicado de acontecer. E o que me fez levar a leitura aos trancos e barrancos foi toda essa 'enrolação' para as coisas acontecerem. O livro tem quase quatrocentas páginas e o grande plot twist acontece nos capítulos finais, que de uma maneira boa nos revela também toda uma transformação e amadurecimento da personagem principal, o que me faz acreditar que se desde o começo a autora estivesse nesse ritmo, eu poderia ter gostado muito mais ainda desse livro.

Gosto de deixar bem claro que essas são as minhas impressões, eu acredito que muito da nossa personalidade influencie nossas leituras, e eu venho lidando com 'O Problema do Para Sempre' desde janeiro. Toda vez que eu peguei no livro eu avancei bem porque a narração da autora e a vontade de descobrir o plot twist da estória despertou meu interesse. No entanto isso não significa que a sua experiência vá ser igual, por isso sempre recomendo que tirem suas próprias conclusões.
Mas o problema do para sempre é que ele realmente não existe.
De uma forma geral esse é o tipo de livro que nos apresenta várias questões dentro de uma mesma estória, e eu gosto muito disso. A leitura não nos aproxima só dos protagonistas, o leitor passa a ter uma preocupação com os dramas de todos os outros personagens ali ao redor. Vale muito a pena ser lido, principalmente por conta da conclusão e evolução do enredo. O livro é capaz de nos mostrar como nós, e apenas nós, somos os maiores responsáveis pelas nossas derrotas e conquistas, que se não acreditarmos em nós mesmo nunca iremos nos permitir vencer os maiores desafios das nossas vidas, que na maioria das vezes estão apenas em nossas cabeças.

NOTA:

Jennifer L. Armentrout, também conhecida como J. Lynn, é autora #1 do New York Times e do USA Today e best seller internacional, além de ter conquistado vários prêmios e um dos seus livros ser considerado o melhor do ano em ficção YA pela YALSA. Vive no oeste da Virginia. Quando não está escrevendo, ela passa seu tempo lendo, trabalhando, vendo filmes de zumbis, e fingindo escrever. Ela divide sua casa com o marido, um parceiro K-9 chamado Diesel, seu hiper Jack Russell Loki, e sua tartaruga de estimação chamado Michelangelo. Seu sonho de se tornar autora começou na aula de álgebra, onde ela passou o tempo escrevendo contos. Jennifer escreve livros adultos e Jovens adultos, fantasia e romance.

Comentários via Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

É muito importante para um blogueiro saber o que as pessoas tem a dizer sobre seus textos, pois sem isso nenhum blog consegue sobreviver por muito tempo! Deixe seu link (se tiver blog) para que eu possa visitá-lo também!!

Seu comentário é a minha maior fonte de respostas!!