Título Original: Bom dia, Verônica.
Autor: Andrea Killmore
Editora: DarkSide
Ano: 2016
Páginas: 256
Gênero: Literatura Brasileira, Suspense e Mistério, Investigação
Comprar: Americanas, Submarino, Shoptime

Sinopse: Em "Bom dia, Verônica", acompanhamos a secretária da polícia Verônica Torres, que, na mesma semana, presencia de forma chocante o suicídio de uma jovem e recebe uma ligação anônima de uma mulher desesperada clamando por sua vida. Com sua habilidade e sua determinação, ela vê a oportunidade que sempre quis para mostrar sua competência investigativa e decide mergulhar sozinha nos dois casos. No entanto, essas investigações teoricamente simples se tornam verdadeiros redemoinhos e colocam Verônica diante do lado mais sombrio do homem, em que um mundo perverso e irreal precisa ser confrontado. Andrea Killmore compõe thrillers como os grandes mestres, e sua experiência de vida confere uma autenticidade que poucas vezes encontramos em suspenses policiais, vibrante e cruel — como a realidade. (SKOOB)
Estar desorientado entre ficção e realidade, quem ler ‘Bom dia, Verônica’ provavelmente se sentirá assim.


Livro de estreia da autora Andrea Killmore (pseudônimo) convida o leitor à adentrar a rotina de uma secretária de um chefe da polícia de São Paulo. Verônica além de ser uma profissional exemplar sempre disposta e a postos para realizar as tarefas que à ela são delegadas; é mãe de família. 

Claro que dividir-se entre o trabalho e os filhos e marido não é tarefa fácil, esta por si só se diz esgotante e Verônica com o tempo passa a sentir na pele as reações em seu físico por se dedicar tanto ao trabalho; tamanha dedicação é tanta que ela acaba por aventurar-se em tarefas e casos policiais que não lhe cabem e muito menos lhe dizem respeito. 

Filha de um ‘’ex agente / governador’’ da polícia, desde muito cedo ela teve contato e fora ensinada a conviver com situações um tanto quanto fora do padrão e costume dos demais. Com o passar do tempo, ao poucos a personalidade marcante e determinada de Verônica manifestara-se; sempre indo atrás de seus objetivos ela consegue um estágio No Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), sendo supervisionada por Carvana, seu chefe. 

O cargo que conseguira era o de secretária, porém, como citei acima volta e outra ela entrava em casos investigativos fora de sua função, parte por curiosidade, parte por instinto, lembrando que filha de peixe, peixinho é.


A trama do livro começa quando Martha Campos vai até a delegacia em que Verônica trabalhava. Era para ser mais um dia rotineiro, era! 

Verônica avista a mulher até então desconhecida sair aos prantos da sala de seu chefe, por conhecer bem o Carvana de imediato ela captou a mensagem de que a tal mulher fora fazer uma denúncia porém não foi creditada pelo delegado. A aparência bagunçada e semblante esgotado da mulher instigam e despertam a curiosidade de Verônica, assim ela vai até ela para tentar ajudar; após brevíssimas palavras e se retirar para pegar um copo d’água, Verônica avista Martha Campos na janela do último andar do prédio, não houve tempo para nada, apenas escutar um murmúrio de que um certo alguém iria a amar de verdade; e ela se joga. 

Com o escândalo do acontecimento, o DHPP vira alvo certo da mídia, algo muito mal explicado aconteceu e as pessoas que lá trabalhavam teriam de dar um jeito nisso. Verônica chega questionar seu chefe sobre o que e quem era aquela mulher que saiu aos prantos de sua sala, como sempre, Carvana empurrou tudo para baixo do tapete. 

O anseio profissional em ser mais do que uma simples secretária faz com que Verônica decida por conta própria investigar o caso, sem nenhum suporte. O cenário muda quando certo dia em sua sala ela recebe uma ligação de uma mulher que alegava ter certeza de que seu marido iria a matar; a voz abafada da mulher, o nervosismo e o súbito encerramento da ligação deixam Verônica com a pulga atrás da orelha. 


De certa forma ela chega a se ‘’entusiasmar’’ com a situação pois agora tinha dois casos investigativos só dela, a simples secretária do delegado estava com os dias contados, se com êxito Verônica desvendasse/solucionasse o caso Martha Campos (suicídio na delegacia) e a estranha denúncia de Janete, ela receberia o reconhecimento, respeito e valorização que tanto lutava por merecer, ainda mais em seu ambiente de trabalho que em maior parte é comandado por homens.

A partir daqui, o leitor passa acompanhar Verônica no seu dia a dia, cada segundo de sua vida que por vez fora dedicada à solução dos casos. Mexendo com seu 'pauzinhos' minuciosamente ela começa a enxergar as pistas deixadas para trás no casa Martha Campos; ela acaba por descobrir que Martha sofrera uma profunda desilusão amorosa que se iniciou na internet. Enquanto investigava o caso, chega até ela a informação de que outras mulheres haviam feito denuncias similares a de Martha, o traste que iludia, dopava, roubava e faziam com que essas mulheres se machucassem não era iniciante, mais do que nunca Verônica se sente 'pilhada' em colocar as mão nesse canalha.

Em contrapartida, o caso de Janete parece ser muito mais grave do que se podia imaginar. Não entrarei em detalhes sobre, pois este caso é tão absurdo que chega a sugar o folego do leitor palavra por palavra, literalmente.

Logo após o anúncio da publicação do livro, os fãs dos gêneros investigação, mistério e romance policial ficaram pasmos e alvoroçados com a informação de quem uma autora usando um pseudônimo estaria chegando em grande proporção 'à vida'. Além do mistério do livro outro fator que alavancou o sucesso do livro foi a identidade da autora por si só, nem mesmo o pessoal da editora DarkSide obtém notícias sobre quem possa ser Andrea Killmore, todo e qualquer contato com ela é feito através de advogados. 


Tudo oque se sabe é que Andrea Killmore foi uma pessoa muito importante na polícia de São Paulo e que devido a algo que aconteceu ela teve de 'sumir do mapa', acabar com a antiga pessoa que era e assumir uma nova identidade por sua própria segurança. 

Seguindo essas informação, um alvoroço de pensamentos me tomaram, juntando estas com a estória narrada por Verônica é impossível não tentar assimilar os pontos. Pode ser uma mera e respeitável ficção ou até mesmo a história da própria Andrea Killmore, seja ela quem for. Cheguei a esta hipótese pois o livro e destino de Verônica é tão inimaginável que me pasmou com o desenrolar e conclusão dos fatos.

Juntando a editora DarkSide Books com Andrea Killmore o resultado não poderia ser outro além de uma combinação perfeita. Estória e edição do livro físico juntas seduzem todo e qualquer leitor o prendendo desde a primeira frase:
Era o primeiro dia do fim da minha vida...

Até a última:
Era o último dia do fim da minha vida...

Precisei de um tempo para digerir o fim do livro, diferente de tudo oque eu já havia lido do gênero. 

Andrea Killmore, se você estiver lendo esta resenha, seja você quem for, MUITO OBRIGADO por ter abrilhantado a literatura nacional com 'Bom dia, Verônica'. Como citou em certa passagem do livro é necessário descobrir novos caminhos, novas vocações, ser autora de livros indiscutivelmente é seu destino, sua especialidade. Ansiosamente aguardo por outras obras de vossa maestria.

NOTA: 
Quanto menos você souber sobre Andrea Killmore, menos risco vai correr. Amiga íntima do perigo, a nova autora da DarkSide® Books é uma revelação que não pode se revelar, e seu verdadeiro nome continua um mistério até para a editora. Em outra vida, ela foi alguém importante dentro da polícia. Após trabalhar infiltrada em um caso e sofrer uma grande perda pessoal, a autora se viu obrigada a assumir uma nova identidade. E com ela, uma nova vocação. Escondida nas sombras, buscou na literatura a saída para vencer a depressão e não calar sua voz. Desde o primeiro e-mail à DarkSide® Books, quando enviou o original de seu romance de estreia, BOM DIA, VERÔNICA, a autora deixou clara a importância de seu anonimato. Todo o contato dos editores com ela é feito através de um advogado. Por questões de segurança, seu estilo de vida é extremamente reservado e não lhe permite conceder entrevistas ou participar de eventos públicos.

See you soon, Lucas! 

Comentários via Facebook

4 comentários:

  1. Lucas!
    Acabei de ganhar esse livro e já estou aqui toda ansiosa pela leitura.
    Adoro um bom policial carregado de mistérios e aqui o mistério já começa com a autora, né? Quem será essa tal criatura?
    Marketing ou não o livro parece carregado de suspense e quero poder conferir.
    Desejo uma semana alegre e feliz!
    “Um saber múltiplo não ensina a sabedoria.” (Heráclito)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de FEVEREIRO, livros + KIT DE MATERIAL ESCOLAR e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse livro é cheio de mistérios! Assim que seu livro chegar, dê preferência a ele haha valerá super a pena!

      Olha, não faço ideia de quem possa ser a Andrea Killmore, porém acredito que não seja estratégia de marketing, após a leitura você irá entender.

      Volte aqui depois para me contar oque achou, combinado?

      Excluir
  2. Estou prevendo que vou amar ler esse livro! Assim que possível vou comprar e ler! <3
    Adoro casos policiais, me prendem demais histórias assim!
    Beijinhos <3
    Livros, Amor e Mais

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvida alguma, este livro irá lhe surpreender ;)

      Excluir

É muito importante para um blogueiro saber o que as pessoas tem a dizer sobre seus textos, pois sem isso nenhum blog consegue sobreviver por muito tempo! Deixe seu link (se tiver blog) para que eu possa visitá-lo também!!

Seu comentário é a minha maior fonte de respostas!!