Título Original: Cell
Autor: Stephen King
Editora: Suma de Letras
Ano: 2018
Páginas: 384
Gênero: Horror / Suspense e Mistério / Terror
Comprar: Amazon

Sinopse: Onde você estava no dia 1º de outubro? O protagonista Clay Riddell estava em Boston, quando o inferno surgiu diante de seus olhos. Bastou um toque de celular para que tudo se transformasse em carnificina. Stephen King - que já nos assustou com gatos, cachorros, palhaços, vampiros, lobisomens, alienígenas e fantasmas, entre outros personagens malévolos - elegeu os zumbis como responsáveis pelo caos desta vez. Depois de anos de tentativas frustradas, o artista gráfico Clay Riddell finalmente consegue vender um de seus livros de histórias em quadrinhos. Para comemorar, decide tomar um sorvete. Mas, antes de poder saboreá-lo, as pessoas ao seu redor, que por acaso falavam ao celular naquele momento, enlouquecem. Fora de si, começam a atacar e matar quem passa pela frente. Carros e caminhões colidem e avançam pelas calçadas em alta velocidade, destruindo tudo. Aviões batem nos prédios. Ouvem-se tiros e explosões vindos de todas as partes. Neste cenário de horror, Clay usa seu pesado portfolio para defender um homem prestes a ser abatido, Tom McCourt, e eles se tornam amigos. Juntos, eles resgatam Alice Maxwell, uma menina de 15 anos que sobreviveu a um ataque da própria mãe. Os três sortudos - entre outros poucos que estavam sem celular naquele dia - tentam se proteger ao mesmo tempo em que buscam desesperadamente o filho de Clay. Assim, em ritmo alucinante, se desenrola esta história. O desafio é sobreviver num mundo virado às avessas. Será possível? (SKOOB)


Em 2018 finalmente a Editora Suma de Letras publicou 'Celular', um título antigo do Stephen King que só era encontrado em Sebos (e olhe lá) pois a versão antiga é muito rara. Essa nova edição chegou linda, com uma estória eletrizante de arrepiar e que obriga ao leitor a fechar o livro e respirar  em certos momentos tamanho o efeito de horror que a escrita do Stephen causa nesse enredo.


'Celular' é uma estória pós-apocalíptica que se passa enquanto nosso protagonista, Clayton, estava na cidade para uma entrevista em uma editora para publicar seus quadrinhos, mas no dia 1 de Outubro às 15 horas da tarde ocorreu o que ele passou a chamar de 'Pulso', todos que estavam no celular naquele exato horário simplesmente surtaram, preservando apenas seus instintos mais primitivos que é o de matar ou morrer, sem nenhuma explicação plausível para isso.

Rapidamente o mundo virou um caos, as ruas ficaram desertas, fazer ligações para os familiares para saber se estavam bem virou algo fora de cogitação, emissoras de tv ficaram sem ter o sinal transmitido e tudo o que Clay queria era voltar para sua cidade no interior para saber se sua mulher e seu filho estavam bem, mas como chegar lá com assassinos brutais que não pensam a solta e com as ruas congestionadas dos carros abandonados e que sofreram acidentes?


Nessa aventura em busca de sobrevivência, Clay conhece Tom e Alice ainda no primeiro dia do 'pulso', os três formam um grupo para sobreviver e aprender sobre os 'fonaticos' enquanto o objetivo de Clay é ir em busca de sua família no norte, mas para sobreviverem e fugirem dos fonaticos, eles terão que dormir durante o dia e viajar durante a noite para se manterem em segurança.


Esse livro é mais um que tem a formula perfeita para que eu ame e recomende eternamente. Vivo em uma busca eterna de livros de horror que me cause repulsa e arrepios e esse livro conseguiu me causar um medo de olhar a hora no celular e virar uma 'fonatica', que é perfeito pra quem precisa desapegar desse aparelho que ocupa tanto do nosso dia, leia 'Celular' e pronto, terá medo até de chegar perto de um (hahahaha).
Vamos nos limitar ao seguinte: o homem dominou o planeta graças a dois traços essenciais. Um é a inteligência. O outro é a completa disposição para matar tudo e todos que possam se colocar no seu caminho.
Um detalhe que eu preciso comentar é que até mesmo o inicio do livro, na forma em como as pessoas agem após o 'surto', me lembrou o início do livro 'Caixa de Pássaros', senti que a ideia de 'loucura' em ambos os casos sejam o mesmo, embora em 'Celular' sejam as pessoas que estavam no celular as 15h da tarde em 1 de Outubro, e em 'Caixa de Pássaros' as pessoas veem algo na rua/céu e enlouquecem matando a outras pessoas e a si mesmas. Mas pelo livro do Stephen ser bem mais antigo que 'Caixa de Pássaros', a ideia foi super original para 2006 que foi quando o livro foi lançado mundialmente, mas as obras se parecessem apenas neste aspecto.

O que eu achei muito bacana é que Stephen King gosta muito da Shirley Jackson, da para saber pelas dedicatórias nos livros como a rainha do horror, mas enfim, em 'Celular' tem uma referência do livro 'A Assombração na Casa da Colina' que já foi resenhado aqui no blog também!
Jornadas terminam no encontro dos amantes.
O plano de fundo do cenário pós apocalíptico, a busca da sobrevivência e pelas respostas é algo que prende o leitor do inicio ao fim, o enredo foi capaz até mesmo de tirar meu sono porque eu queria ler mais mesmo não aguentando mais de sono, a escrita de Stephen tem esse poder sobre mim, é tão detalhada e envolvente que quando percebo já se foram 50 páginas porque flui muito.

E mais uma vez o mestre não decepcionou, cada personagem tem sua profundidade exata, o passado de cada um é revelado aos poucos e na quantidade exata, sem deixar muita informação desnecessária, apenas o necessário para que a estória se feche como deveria ser. Eu achei um diferencial nesse livro do King, possivelmente por não ser um livro policial, a narrativa é feita apenas pelo Clay e quando eu percebi isso fiquei chocada, afinal, até agora todos os outros livros que li do Stephen vários personagens contavam seu ponto de vista.

Devo dizer que a capa está linda e com detalhes em alto relevo, a diagramação segue a mesma dos livros da Suma de Letras, pelo menos dos livros que já li, letra pequena, pouco espaço entre as linhas, nada que atrapalhe muito, porém para ler a noite fica um pouco mais difícil. O livro também é dividido em partes, onde basicamente marca o local/cidade onde o grupo está indo e isso ajuda a ir localizando ao decorrer da estória.


'Celular' é um livro mais que recomendado para amantes de horror, é perfeito para quem gosta de ficar sem folego e lendo cada vez mais rápido para descobrir o que vem a seguir. Fala sobre esperança no fim do túnel, na busca incansável pela família e sobre amizade. Sinceramente, o melhor do Stephen King para mim até agora. Lembrando que o horror é a sensação de ficar ansioso, sem folego, talvez até mesmo com repulsa. Não confundam com terror que normalmente deixa a pessoa sem sono por medo.

Espero que tenham gostado <3

NOTA:  

OUTROS LIVROS DO AUTOR RESENHADOS NO BLOG:

  

Stephen King nasceu em Portland, no Maine, em 1947. Seu primeiro conto foi publicado vinte anos depois na revista Starling Mystery Stories. Em 1971, ele começou a dar aulas, escrevendo à noite e aos fins de semana. Em 1974, publicou seu primeiro livro, Carrie, a estranha, que se tornou um best-seller e é considerado um clássico do terror. Desde então, King escreveu mais de cinquenta livros, alguns dos quais ficaram mundialmente famosos e deram origem a adaptações de sucesso, seja para o cinema ou para a televisão.

Titulo Original: 13 Segundos
Autor: Bel Rodrigues
Editora: Galera Record
Páginas: 304
Ano: 2018
Gênero: Ficção / Infantojuvenil / Jovem adulto / Literatura Brasileira
Comprar: Amazon

Sinopse: O fim de um relacionamento é sempre um período difícil, mas isso se intensifica quando você está no último ano do colegial e precisa decidir o que será do seu futuro. Lola sabe que a decisão foi o melhor para os dois, mas aquela saudade de alguém que estava sempre presente é inevitável. Agora, tudo que Lola quer é deixar isso para trás e focar em pôr a vida em ordem novamente, se redescobrindo após um relacionamento que exigiu tanto dela e reavaliando suas prioridades: estudo, amigos, família e o canto, sua maior paixão. Com o corte do coral das atividades extras, a garota finalmente decide ouvir seus amigos e resolve criar um canal no YouTube para postar alguns covers, nada mais do que um hobby para substituir seu tão amado coral. Focada em não se relacionar seriamente e aproveitar as festas do último ano, tudo parece se alinhar quando Lola conhece John, um intercambista que busca exatamente o mesmo que ela: se divertir e criar memórias inesquecíveis. Quanto mais as coisas mudam, mais a garota percebe como perdera seu tempo tentando salvar um relacionamento que já estava naufragado, e como agora ela se sentia genuinamente feliz com as pessoas incríveis à volta e seu grande hobby se tornando cada vez mais influente. Entre conselhos sinceros, noites quentes e provas do Ensino Médio, a única coisa que Lola não poderia prever era o quão rápido tudo poderia desmoronar. Em treze segundos, especificamente. (SKOOB)

Quando percebe que o relacionamento não é mais aquilo que foi no inicio, e que o que quer que tenha restado não é mais o suficiente para fazê-la ficar ao lado de Leo, Lola decide que a melhor solução é colocar um ponto final na história deles, evitando assim que o sofrimento de uma ruptura fosse maior no futuro.

Apesar de não aceitar muito bem o fim do relacionamento, Leo acaba seguindo com sua vida, e Lola faz o mesmo. Um novo ano escolar começa, é então, que Lola conhece John, o aluno novo e intercambista que além de lindo é extremamente simpático, e como cereja do bolo, ele acaba se tornando de forma rápida amigo do grupo de amigos de Lola, coisa que o ex dela, Leo, nunca conseguiu.

Mesmo estando cautelosa, uma vez que ela acabou de sair de um relacionamento de longa data, Lola acaba se permitindo envolver com John aos poucos e como consequência disso ela acaba percebendo a diferença entre um relacionamento saudável e um relacionamento tóxico.

Nesse meio tempo, Lola fortalece ainda mais os laços de amizades com suas amigas Ariel, Mel e Ana, uma vez que agora não precisa ficar se dividindo entre as amizade e o relacionamento, além disso, Lola acaba descobrindo partes de si mesma que nunca pensou que existisse.

A vida de Lola começa a entrar no trilho depois do rompimento com Leo, ela finalmente começa a acreditar que tudo está no lugar onde deveria estar, quando em um ato tão efêmero quanto um estalar de dedos ela vê sua vida desabar em sua frente sem que possa fazer nada.

13 segundos. Esse é o tempo que tem o vídeo de um momento intimo de Lola liberado na internet. Em 13 segundos ela vê todos os anos vividos até aquele momento e todos os sonhos e projetos que tinha para o futuro serem destruídos sem que ela possa fazer nada para impedir.

Em uma caminhada dolorosa e muito mais longa do que esses poucos segundos, Lola cercada por todos aqueles que a amam e a apoiam, vai entender que ela não fez nada de errado, ela não tem culpa de absolutamente nada, e que a vida dela não chegou ao fim. Os planos e projetos antes traçados, estão só esperando por ela para serem realizados.


Logo que eu vi os primeiros comentários sobre '13 Segundos', fiquei completamente insana atrás desse livro. Apesar de nunca ter lido nada que a Bel Rodrigues tivesse escrito até então, a temática proposta por ela, além de ser algo que eu tenho interesse, era muito 'único' em se tratando de YA.


Primeira confissão: em dois momentos eu chorei com o livro, mas acredito que o que mais me tocou foi a carta que aparece no final. Eu achei a carta de uma sensibilidade tão grande, e um amor imenso, que mexeu comigo mais do que eu esperava.

Segunda confissão: a cereja do bolo pra mim em relação a esse livro foi a construção da autora em relação a amizade das meninas. Serio, é tão lindo vê esse grupo de meninas e meninos também, que são tão diferentes, mas que não pensam se quer duas vezes para enfrentarem o que for para ajudarem um ao outro.


Apesar de ter amado o livro e a escrita da Bel ser bem envolvente, como eu disse no inicio, o que me atraiu a principio para a leitura foi a temática central proposta, e justamente por isso, eu senti um pouco de falta da autora aprofundar mais nesse aspecto.

'13 Segundos' é um livro que eu nem tinha acabado de ler ainda e já estava indicando para minhas amigas. Por isso, mesmo sendo um YA, esse é um livro que eu indico para todas as faixas etárias.

COMPRE SEU EXEMPLAR CLICANDO AQUI!

NOTA: 

OUTROS LIVROS DA AUTORA RESENHADOS NO BLOG:


Bel Rodrigues é uma catarinense nascida em 1994. Graduada em Comunicação Social e pós-graduanda em Criminologia, resolveu criar um canal no Youtube para compartilhar seus gostos por livros, mas jamais imaginava ter milhares de seguidores. Amante de dias chuvosos e jogos online, ela ainda se emociona ao responder que também é escritora.

Título Original: Just Listen
Autor: Sarah Dessen
Editora: Seguinte
Ano: 2017
Páginas: 347
Gênero: Ficção / Jovem adulto / Literatura Estrangeira / Romance
Comprar: Amazon

Sinopse: Para encarar a verdade, você precisa estar disposta a ouvi-la. Ano passado, Annabel era a típica “garota que tem tudo” — inclusive era esse o papel que interpretava no comercial de uma loja de departamentos da cidade. Este ano, porém, ela é a garota que não tem nada: não tem mais a amizade de Sophie; não tem uma família feliz desde a descoberta do distúrbio alimentar de uma de suas irmãs; e não tem ninguém com quem passar a hora do almoço na escola. Até conhecer Owen Armstrong. Alto, misterioso e obcecado por música, Owen é um garoto que vivia se metendo em brigas, mas agora está tentando mudar. Um de seus novos lemas é sempre falar a verdade, não importa qual seja, e jamais guardar ressentimentos. Será que com a ajuda desse amigo inesperado Annabel vai conseguir encarar a verdade e enfrentar o que aconteceu na noite em que brigou com Sophie? (SKOOB)

Annabel Greene é a mais nova de três irmãs, assim como sua irmã do meio Whitney, Annabel é uma modelo mirim. Apesar disso, Annabel é uma menina como qualquer outra de sua idade, que gosta de aproveitar os momentos de folga com sua melhor amiga Clarke.

Sophie é uma garota da idade de Annabel que se mudou a pouco tempo para o mesmo bairro que ela. Diferente de Annabel, que é uma menina que vive de acordo com o esperado para uma garota de sua idade, Sophie age como se fosse mais velha, e ao se aproximar de Annabel e a influenciar a agir dessa forma também, a vida de Annabel acaba mudando de forma drástica, e de uma forma que ela nunca poderia esperar.

O primeiro sinal da mudança vem quando Annabel coloca fim a sua amizade de anos com Clarke por causa de Sophie. Em seguida, Sophie e Annabel se tornam inseparáveis, até que Sophie começa a namorar Will Cash. Will é um garoto muito mais velho que as meninas e portanto, tem uma cabeça muito diferente da delas.

Da noite para o dia a amizade de Sophie e Annabel, que parecia ser para sempre chega ao fim, de melhores amigas elas acabam se tornando inimigas, uma vez que Sophie, acusa a então amiga, de dar em cima do seu namorado, e não só isso, espalha a informação por toda a escola, fazendo todos se virarem contra Annabel também.

Excluída por todos, quando o ano escolar começa, ela acaba procurando refugio em um canto afastado da escola na hora do almoço e é nesse refugio que ela acaba conhecendo Owen. Owen assim como Annabel, foi marginalizado pelos alunos da escola devido aos boatos que correm sobre seu passado, sobre seu histórico de ser um garoto agressivo e seu processo de reabilitação (devido a agressividade).

É desse encontro de duas pessoas que a um só tempo são tão parecidas e tão distintas que surge uma amizade incrível. Com o passar do tempo, Annabel começa a perceber que talvez, ela não esteja perdida em toda essa confusão que a vida dela se transformou.

Nesse meio tempo, Emily, uma garota que no passado foi muito próxima de Annabel, se vê acusada por Sophie pela mesma coisa. No entanto, Emily não se cala e conta toda a verdade em relação a ter dado em cima ou não de Will, contando detalhadamente o que realmente aconteceu e é nessa hora que Annabel se fortalece e cresce nela a vontade de contar o que realmente aconteceu entre ela e Will também.


'Só Escute' foi o meu primeiro contato com a autora Sarah Dessen, e acredito que eu não poderia ter começado por um livro melhor. A história contada aqui é tão incrível que não é de se assustar o tanto que me marcou.

A escrita da autora é bastante fluida e envolvente, prendendo o leitor do incio ao fim da narrativa. Um aspecto que eu amei e que a autora trás nesse livro é a presença de flashback, por que eu acho que isso ajuda muito mais o leitor a criar um laço sentimental com o personagem, uma vez que ele vê de uma forma geral tudo que levou o personagem até o ponto em que ele está 'atualmente' no livro.


Sarah Dessen trás duas grandes temáticas, assim podemos dizer, para serem trabalhadas no livro: questões familiares e conflitos usuais da adolescência. A forma como ela trabalha esses temas, mesmo que seja de uma forma leve, são muito bem colocados dentro da trama, assim como são desenvolvidos e escritos de uma forma maravilhosa. Confesso que são também bastante emocionantes e que ao final da leitura fiquei com um nó na garganta e lágrimas nos olhos, principalmente quando Annabel conta a verdade para os pais.


Apenas ouça e não julgue. Um excelente conselho dado por essa história e aproveitando a deixar, se posso dar um conselho a vocês é: leiam 'Só Escute'.


NOTA:

OUTROS LIVROS DA AUTORA RESENHADOS NO BLOG:

Sarah Dessen nasceu em Evanston, Illinois, em 06 de junho de 1970. Ela se mudou com sua família para Virgínia Ocidental, e em seguida, na Carolina do Norte, onde agora reside com o marido, a filha Sasha Clementine, e cães. Dois de seus romances, That Summer e Someone Like You, foram a base para How to Deal, um filme de 2003 estrelado por Mandy Moore.                                                                                            

Título Original: Sleeping Beauties
Autor: Stephen King e Owen King
Editora: Suma de Letras
Ano: 2017
Páginas: 728
Gênero:Fantasia / Ficção / Horror / Literatura Estrangeira
Comprar: Amazon
Sinopse: Pelo mundo todo, algo de estranho começa a acontecer quando as mulheres adormecem: elas são imediatamente envoltas em casulos. Se despertadas, se o casulo é rasgado e os corpos expostos, as mulheres se tornam bestiais, reagindo com fúria cega antes de voltar a dormir. Em poucos dias, quase cem por cento da população mundial feminina pegou no sono. Sozinhos e desesperados, os homens se dividem entre os que fariam de tudo para proteger as mulheres adormecidas e aqueles que querem aproveitar a crise para instaurar o caos. Grupos de homens formam as “Brigadas do Maçarico”,incendeiam em massa casulos, e em diversas partes do mundo guerras parecem prestes a eclodir. Mas na pequena cidade de Dooling as autoridades locais precisam lidar com o único caso de imunidade à doença do sono: Evie Black, uma mulher misteriosa com poderes inexplicáveis. Escrito por Stephen King e Owen King, Belas Adormecidas é um livro provocativo, dramático e corajoso, que aborda temas cada vez mais urgentes e relevantes. (SKOOB)

'Belas Adormecidas' é um livro que foi escrito por Stephen King em conjunto com seu filho Owen King, realmente não sabia o que esperar dessa união e confesso que fui muito surpreendida. Espero que tenham mais livros futuramente dessa dupla, porque o Owen agregou muito na estória, e não digo só em páginas, porque pensa num livro que é um tijolinho, mas vale cada página lida.


Se fossem me perguntar qual seria o personagem principal, eu diria que a estória se movimenta com base em três personagens: Lila Norcross que é a xerife da cidade de Dooling, Dr. Clinton Norcross que é o marido de Lila e psiquiatra no Instituto Penal para Mulheres de Dooling e Eve Black, uma forasteira que no dia em que apareceu na cidade pacata, tudo 'foi pelos ares'.
Sentimentos. Os homens quase nunca queriam falar sobre eles, as mulheres quase sempre queriam.
No mesmo dia em que Eve Black chegou na cidade de  Dooling, por pura coincidência (ou não), todas as mulheres ao redor do mundo assim que dormiam, não acordavam mais. Ao dormir, seus corpos criavam um casulo e quando alguém tentava abrir esse casulo, o instinto delas faziam com que machucassem e até mesmo matassem a pessoa mais próxima, depois disso elas voltavam a dormir e o casulo as cobriam novamente.

Assim que a notícia - da qual eles denominaram de Aurora - se espalhava, o caos se instalavam nas cidades. Muitos achavam que era algum ataque biológico que só afetava as mulheres, outros achavam que era algum evento da natureza sem explicação. Mas enquanto não obtinham as respostas que tanto queriam, o caos se instalou em formas de saques em mercados e farmácias para todo tipo de estimulante e energético. Aos poucos todo o sistema de organização foi caindo e virando terra sem lei, os crimes começaram a passar despercebido e a serem 'não tão importantes' para a polícia, despertando o pior e o melhor nos homens.
As pessoas costumam se concentrar nas coisas pequenas para impedir que as grandes sobrecarreguem elas.
Porém, Lila, no primeiro dia da 'Aurora' encontrou Eve em uma cena de crime um pouco retirada da cidade e a levou para a penitenciaria onde ficaria segura. No entanto, os seguranças da penitenciaria perceberam que Eve não era uma mulher comum, ela dormia e acordava, e era a única capaz disso e a notícia já estava se espalhando para os pais e maridos desesperados querendo uma cura para suas mulheres e filhas que já haviam adormecido. Seria ela a cura? Por que ela é imune? Esses são os tipos de perguntas que vão levar a estória para seu clímax e deixar o leitor apreensivo e louco por respostas (hahahahaha). Além disso este livro levanta alguns questionamentos sobre o que uma 'fake news' pode fazer com uma sociedade emocionalmente abalada, os King's são os melhores.


Não sei como pai e filho conseguiram escrever um livro tão bom em parceria, mas estou amando livros que são escritos em conjunto. Não tinha como eu não amar esse livro simplesmente por ser um livro do Stephen King. Não sei se é o favoritismo falando por eu estar completamente apaixonada pela escrita do autor, mas esse 'Belas Adormecidas' me prendeu do inicio ao fim, ao nível de ficar pensando no que vem a seguir na próxima página.

Com uma estória totalmente inovadora, nossos autores trouxeram um cenário complexo, repleto de personagens com muitos problemas pessoais que possuem até mesmo 4 páginas no inicio do livro com descrição para saber quem é quem sem confundir, e por ser um livro narrado por diversos personagens para que a estória fosse se 'amarrando' aos poucos para não ficar 'perguntas sem respostas', o que é uma característica dos livros do Stephen, essas folhas com referencias aos personagens ajuda bastante.
Às vezes, temos o que queremos, mas na maior parte das vezes, temos só o que dá para ter.
O final poderia ser um pouco melhor? Poderia, com certeza, mas o final escolhido para 'Belas Adormecidas' é muito bom também. Enquanto lia o final, passou uma leve impressão de que eles deram uma 'corrida' com a estória como se tivessem que cumprir algum prazo, sabe? Mas provavelmente seja só impressão.

Já aviso que o livro é dividido em partes, o que eu amo, pois fica melhor para separar os grandes eventos, e também tem um graande plost twist/revira volta. Mas shhh não vou dar spoiler, só digo uma coisa: leiam!!

E sobre essa edição, não sei vocês, mas eu amo de paixão essa capa e essa lombada. Por ser um tijolinho, foi possível fazer uma lombada mais bonitinha do que o costume. E como sempre em qualquer livro do King que seja enorme, a fonte é um pouco pequena, e isso atrapalha para ler mais rápido, ainda mais a noite, mas não é nada que vá impedir de ter uma boa leitura.


Não preciso nem falar que por ser um livro de gênero Horror e por ser escrito pelo Stephen King, tem algumas cenas que dão um frio na barriga, uma vontade de estrangular certos personagens, e que vai trazer algumas polêmicas a tona, como abuso sexual, abuso de poder, preconceito e algumas cenas de mortes um pouco fortes para quem tem coração fraco. Mas não posso deixar de recomendar para aqueles que gostam disso, essa mistura de sensações, de ansiedade e ódio, e claro, recomendo para maiores de 16 anos por conta dos pontos que citei acima.

Espero que tenham gostado <3

NOTA:

OUTROS LIVROS DO AUTOR RESENHADOS NO BLOG:

 
Stephen King nasceu em Portland, no Maine, em 1947. Seu primeiro conto foi publicado vinte anos depois na revista Starling Mystery Stories. Em 1971, ele começou a dar aulas, escrevendo à noite e aos fins de semana. Em 1974, publicou seu primeiro livro, Carrie, a estranha, que se tornou um best-seller e é considerado um clássico do terror. Desde então, King escreveu mais de cinquenta livros, alguns dos quais ficaram mundialmente famosos e deram origem a adaptações de sucesso, seja para o cinema ou para a televisão.

Título Original: The Outsider

Autor: Stephen King
Editora: Suma de Letras
Ano: 2018
Páginas: 528
Gênero: Ficção, Suspense e Mistério, Literatura Estrangeira
Comprar: Amazon


Sinopse: O corpo de um menino de onze anos é encontrado abandonado no parque de Flint City, brutalmente assassinado. Testemunhas e impressões digitais apontam o criminoso como uma das figuras mais conhecidas da cidade — Terry Maitland, treinador da Liga Infantil de beisebol, professor de inglês, casado e pai de duas filhas. O detetive Ralph Anderson não hesita em ordenar uma prisão rápida e bastante pública, fazendo com que em pouco tempo toda a cidade saiba que o Treinador T é o principal suspeito do crime. Maitland tem um álibi, mas Anderson e o promotor público logo têm amostras de DNA para corroborar a acusação. O caso parece resolvido. Mas conforme a investigação se desenrola, a história se transforma em uma montanha-russa, cheia de tensão e suspense. Terry Maitland parece ser uma boa pessoa, mas será que isso não passa de uma máscara? A aterrorizante resposta é o que faz desta uma das histórias mais perturbadoras de Stephen King. (SKOOB)

'Outsider' é um dos muitos lançamentos de Stephen King que a Editora Suma de Letras trouxe para o Brasil em 2018. Um suspense policial eletrizante, um pouco sobrenatural, e com uma visita de um personagem da trilogia do mestre chamada Bill Hodges. Já aviso que é uma estória forte, com cenas fortes e revoltantes.


Um crime devastou a cidade Flinty City, uma criança foi morta de uma forma que não é possível narrar para vocês, mas foi de um jeito brutal que envolvia desde abuso infantil ao canibalismo. O principal e único suspeito é o treinador de beisebol da liga infantil da cidade, que havia treinado todas as crianças que cresciam lá. Conhecido por todos, Terry e sua família começaram a sofrer as consequências de ser o único suspeito de tal ato logo após a prisão nada discreta dele durante um jogo de beisebol infantil com o estadio lotado.

Mas como poderia ser Terry o assassino? Todas as pistas deixadas no local indicavam que era ele. DNA, digitais, testemunhas. No entanto, Terry tinha viajado para outra cidade para uma conferencia de um autor famoso (segredinho, mas amei a referência!). Havia filmagens e testemunhas que eles estavam muito longe da cidade enquanto ele estava sendo supostamente avistado. E agora?
Ás vezes, os que eram frios de verdade, os sociopatas, encontravam aquela calma depois do choque inicial e se preparavam para o que estava por vir.
Os detetives da cidade estavam certos de que Terry havia assassinado a criança. Mas logo após o caso ser considerado encerrado, Ralph Anderson, um dos responsáveis pelo caso começou a ter suas dúvidas. E se fosse uma armação para Terry?  Por quê ele faria isso? Sua imagem de gente boa era apenas fachada? Como ninguém nunca suspeitou? Como deixamos ele chegar tão perto das nossas crianças? Como ele poderia estar em dois lugares ao mesmo tempo?


Com certeza sendo uma das melhores tramas que já li pelo menos esse ano, Stephen King trouxe algo novo para o thriller policial, a pitada de sobrenatural e de cultura local do EUA que ele colocou no livro fez toda a diferença. Seria um livro bom sem o sobrenatural? Seria, mas ficou maravilhoso com esse diferencial.
Quanto tempo demorava para se recuperar do primeiro e mais bruto estágio da dor?
A trama foi muito bem construída a nível King, todos os personagens foram muito bem usados para que o resultado fosse excepcional. Enredo surpreendente e enlouquecedor. Estou realmente sem palavras para descrever esta obra. Acredito que tenha sido uma estória muito inovadora (pelo menos nunca li nada nem perto de ser parecido).

A leitura fluía muito rápido, isso me fez fazer algumas pausas durante ela para absorver a trama já que o tema é pesado. Afinal, estamos falando do assassinato de crianças inocentes de forma brutal. Digamos que minha experiencia nessa leitura foi eletrizante e marcante, vai ser difícil esquecer a estória por um bom tempo e eu espero que saia logo alguma adaptação.
O dinheiro não era a cura para a dor, mas permitia que a pessoa sofresse em relativo conforto.
Devo dizer que os personagens são extremamente cativantes, Terry me fez acreditar que ele era inocente mesmo com todas as provas 'infalíveis' dissessem o contrário. Fiquei muito cativada por todos os principais, segurei o choro algumas vezes, mas as vezes não conseguia segurar pensando 'e se isso realmente tivesse acontecido de alguma forma?', será que o King teve alguma inspiração em algum caso real? Se existe algum, não descobri.
Se não conseguir deixar o passado para trás, os erros que cometeu acabam comendo você vivo.
Sobre a edição eu só tenho elogios, a capa está maravilhosa e achei que super retratou o lado sobrenatural da estória, as letras escritas 'Stephen King' estão em dourado metalizado e isto deixa o livro lindooo na luz. A diagramação segue o padrão dos livros do King, o que deixa a leitura fluir mais que o natural (pelo menos no meu caso).


Para quem tem algum probleminha como eu e ama livros sangrentos e certas cenas que fazem algumas pessoas ficarem enjoadas com um toque de sobrenatural, esse livro é para você, tem o plost twits maravilhoso, suspense e mistério, além de que a pergunta que dura o livro inteiro, 'Terry é ou não culpado?', deixa o livro perfeito.

 Espero que tenham gostado <3



NOTA: 


OUTROS LIVROS DO AUTOR RESENHADOS NO BLOG:


 
Stephen King nasceu em Portland, no Maine, em 1947. Seu primeiro conto foi publicado vinte anos depois na revista Starling Mystery Stories. Em 1971, ele começou a dar aulas, escrevendo à noite e aos fins de semana. Em 1974, publicou seu primeiro livro, Carrie, a estranha, que se tornou um best-seller e é considerado um clássico do terror. Desde então, King escreveu mais de cinquenta livros, alguns dos quais ficaram mundialmente famosos e deram origem a adaptações de sucesso, seja para o cinema ou para a televisão.