Titulo Original: Stranger things: Suspicious Minds
Autor: Gwenda Bond
Editora: Intrínseca
Páginas: 304
Ano: 2019
Gênero: Ficção científica/ Suspense/ Mistério
Comprar: Amazon; Americanas

Sinopse: Primeira história oficial do universo expandido de Stranger Things. Descubra o passado sombrio da mãe de Eleven e do médico perverso envolvido no projeto MKULTRA Uma das séries de maior sucesso dos últimos tempos, Stranger Things surpreendeu espectadores de todas as idades. Agora, a poucos meses da estreia da aguardada terceira temporada, a Intrínseca lança o primeiro livro oficial da série, que explora o passado de dois dos personagens mais enigmáticos da produção: Terry Ives, a mãe de Eleven, e o dr. Martin Brenner, o homem que separou as duas. Em plena década de 1960, os Estados Unidos estão passando por profundas mudanças políticas e sociais, e Terry Ives, estudante de uma cidadezinha em Indiana, se vê à parte dos acontecimentos. Cansada de ser uma mera espectadora das mudanças à sua volta, ela enxerga sua grande chance de entrar para a história ao se voluntariar para participar de um projeto ultrassecreto do governo chamado MKULTRA, realizado no laboratório de Hawkins. É lá que ela conhece o dr. Martin Brenner, um homem cruel capaz das maiores atrocidades para alcançar seus objetivos. Terry logo se vê presa em uma trama repleta de manipulações e perigos, travando com Brenner uma guerra em que a mente humana é o campo de batalha. E sua única chance de vitória reside em uma menininha com poderes sobre-humanos e um número no lugar do nome. Obra oficial de Stranger Things, Raízes do mal expande o universo da série, aprofundando a trama, e volta no tempo para explicar como os destinos de Terry, Brenner, Eleven e Eight se cruzaram pela primeira vez. (SKOOB)

'Stranger Things: Raízes do Mal' é um lançamento de 2019 da autora Gwenda Bond, pela Editora Intrínseca. O livro se passa em 1969, momento em que os EUA era governado por Nixon e enfrentava uma guerra no Vietnã, a partir daí o governo começa a fazer experimentos de caráter duvidoso no Laboratório de Hawkins sob a supervisão do Dr. Martin Brenner. É nesse contexto que conhecemos Terry Ives – uma jovem estudante e garçonete que deseja de alguma forma fazer a diferença para o seu país e vê sua participação nesse experimento como imprescindível. 
E ela não queria perder a chance de fazer algo importante. - Pág 19
Terry Ives se junta a outras três pessoas – Glória, Ken e Alice – cada qual com seus próprios motivos para ingressar no experimento, entretanto com o passar do tempo eles são submetidos a diversas provações que beiram a crueldade e conhecem Eight, uma criança que pode ser a chave para desvendar o que realmente o governo quer em Hawkins e o que o Dr. Brenner está disposto a fazer para conseguir.


Gwenda Bond está de parabéns pelo livro! O contexto em que a história se passa é de suma importância, muitas atitudes dos personagens são influenciadas pelas decisões políticas e o jeito como Terry, Glória e Alice são muitas vezes tratadas ou julgadas por serem mulheres enquanto os homens recebem passe livre é grotesco, infelizmente essa situação não foi totalmente modificada e quando comparamos o ano em que a história se passa é triste vê que ainda não avançamos. Uma atenção especial a Glória que por ser negra sofre duas vezes mais essa pressão social, sua situação é “amenizada” devido as condições financeiras da sua família. 
Ótimo, porque não aceitaríamos cheque de uma garota sem aval dos pais. - Pág 111
Os capítulos são divididos em algumas seções cujo ponto de vista se alterna entre os personagens (mas a maioria é do ponto de vista de Terry), o que enriquece a narrativa, mas sem dá todas as informações para o leitor. Já os personagens têm personalidade forte, das quatro cobaias o menos desenvolvido é Ken que afirma ser um vidente, mas pouco acrescentou na história ou usou seu “dom”. Achei muito bonito como criou-se uma irmandade entre os personagens devido aos abusos sofridos no experimento e vê-los tentando acabar com o projeto trouxe uma sensação de nostalgia pela série.


A história tem um bom ritmo, embora não tenha exatamente um grande plot twist se você assiste a série (principalmente a 2º temporada), o livro trouxe mais contexto ao contar o que houve antes de Eleven e do The Upside Down, mas nem tudo é respondido e por isso eu me questionei: “esses mistérios vão ser revelados na série?”. Nos últimos capítulos infelizmente o enredo desanda, pois com tudo o que Terry sofreu eu achei que seus amigos a deixaram de lado enquanto tudo na vida deles melhorou, novamente eu não sei se isso foi para condizer com o que é mostrado na série, mas acabou sendo uma perda. 
Terry imaginou que uma criança que se considerava um segredo provavelmente tinha muita prática naquilo. - Pág 84
'Stranger Things: Raízes do Mal' está super indicada para os fãs da série de TV da Netflix, embora todos possam ler o livro, acredito que ele serve mais como um complemento e o final aberto pode desagradar aqueles que não conhecem a história por trás do livro. Como fã da série fiquei com medo do enredo não contribuir com nada novo, mas a autora fez um ótimo trabalho com o que tinha em mãos.

COMPRE SEU EXEMPLAR COM UM DE NOSSOS LINKS E AJUDE O BLOG SEM PAGAR NADA A MAIS POR ISSO

NOTA:

Gwenda Bond é autora de livros infantis e juvenis. Em suas obras, mistura elementos sobrenaturais, magia e protagonistas imbatíveis. Formada em jornalismo e com mestrado em escrita criativa pela Vermont College of Fine Arts, Bond já escreveu para veículos de destaque, como Los Angeles Times e Publishers Weekly. Mora no Kentucky, Estados Unidos.

Título Original: Redação Infalível - E Outras Dicas para Você Arrasar nas Provas
Autor: Débora Aladim
Páginas: 120
Gênero: Autoajuda / Educação / Não-ficção
Editora: Objetiva
Ano: 2019
Comprar: Amazon;

Sinopse: Em primeiro lugar: estudar não precisa ser difícil Este é um livro de apoio, escrito por uma pessoa real para pessoas reais pessoas complexas e confusas. Como diz o título, ele trata de redação, métodos de estudo e o nosso querido Enem Vou ajudar você a vencer o medo que muitas vezes nos impede de estudar, além de ensinar técnicas e sugerir dicas para tornar mais simples sua jornada de aprendizagem. Afinal, estudar não precisa ser difícil. Quero provar para você que organizar os estudos é possível, que existem métodos e ferramentas próprios para isso, além de auxiliá-lo a administrar seu tempo e neutralizar suas angústias e expectativas antes de uma prova. (SKOOB)

Oieeee! Tudo bem?
Hoje vim mostrar para vocês um lançamento da Editora Objetiva, selo da Companhia das Letras, o livro 'Redação Infalível', escrito pela renomada youtuber Débora Aladim, que tem um canal com mais de dois milhões de inscritos e dá dicas de variados assuntos para estudantes, principalmente os interessados no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).


'Redação Infalível' é um guia para estudante que tem principalmente o objetivo de passar no vestibular, ele traz dicas e esquemas importantes, ensinando métodos de estudos que podem ser adequados aos mais diversos tipos de estudantes e suas determinadas rotinas. O livro é dividido em três partes:

Parte I:
  • Foca na rotina de estudos,
  • Como cada estudante pode montar sua rotina,
  • Criação de hábitos de estudos,
  • Dica de como treinar redação
  • Cronograma de estudos
  • Anotações e resumos
  • Os tipos de estudantes
  • Memorização
  • Como estudar no celular?
  • Como estudar com pouco tempo e ser produtivo?
  • Mantendo a motivação

Parte II:
  • A redação
  • Como minha redação vai ser corrigida
  • Redação passo a passo
  • Material complementar

Parte III:
  • Na hora da prova: mantendo a calma
  • Administrando o tempo
  • Para ler antes da prova

O livro é muito legal para quem realmente está focado em manter uma rotina de estudos, ele apresenta os caminhos para que o estudante tenha uma organização e produtividade em meio a tantas matérias que precisam ser estudadas. Um aspecto relevante é que a autora é estudante e saiu recentemente do ensino médio, isso torna o livro ainda mais próximo do leitor, pois sabe que o que está sendo mostrado, foi também práticas pessoais.


A linguagem é acessível e contém muitos exemplos, uma parte que eu, como professora de redação, utilizo muito em minhas aulas são os mapas mentais/visuais, pois acredito que é algo realmente prático e que auxilia nos estudos. No livro, Débora, ensina como fazer diferentes tipos de resumos e que são eficazes de verdade.


O livro tem o tom de guia para o vestibular, assim que ele chegou aqui em casa, já levei para minhas aulas de redação e como eu já previa, foi um sucesso entre os alunos, pois como já conhecem a Débora Aladim, ficaram animados ao ver o livro e todos os assuntos que ele trata, com certeza porque essa é a fase que eles estão vivendo que é a de tensão pré-vestibular.

Apesar de Débora focar em temas relacionados ao ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio), o livro funciona para qualquer vestibular. Interessante notar que no fim do livro, ela traz uma lista com os assuntos mais cobrados no Enem e muitíssimos temas de redação inclusive trabalharei muitos deles em sala de aula, mostrar os temas faz com que o aluno tenha um bom repertório para treinar antes da prova final.


Recomendo 'Redação Infalível' tanto para alunos quanto para professores, independente da matéria que lecionem, pois as informações contidas aqui são de conhecimentos gerais sobre rotinas de estudos e assuntos relacionados ao Enem. Eu já iniciei o uso em minhas aulas e atesto que é muito atual, dinâmico e esclarecedor para visão do aluno.

E aí, está estudando para o Enem? Quer mais dicas de Enem aqui no blog?
Me contaaaaa tudo!
Beijos! Até breve!


NOTA: 

É mineira, estudante de história na UFMG, e viralizou na internet com seu método inédito para fazer uma redação. Começou a gravar vídeos em 2013 para ajudar os colegas de sala com as provas e se tornou a maior youtuber de educação do Brasil, tendo feito videoaulas para o Ministério da Educação em 2016. Seu conteúdo envolve videoaulas de História, redação e dicas de estudo, mostrando que qualquer um pode escrever um bom texto e usar o vestibular para alcançar seus sonhos e objetivos.

Titulo Original: Gabriela, Cravo e Canela
Autor: Jorge Amado
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 424
Ano: 2008
Gênero: Literatura Brasileira
Comprar: Amazon; Lojas Americanas; Submarino; Shoptime

Sinopse: O romance entre o sírio Nacib e a mulata Gabriela tem como cenário os anos 20, em plena luta pela modernização material e cultural de Ilhéus, então em franco desenvolvimento graças às exportações de cacau. O eixo da história é a relação entre as transformações materiais e as idéias morais. Com sua sensualidade inocente, a cozinheira Gabriela não só conquista o coração de Nacib como também seduz um sem-número de homens ilheenses, colocando em xeque a férrea lei local que exigia que a desonra do adultério feminino fosse lavada com sangue. Um momento da vida social brasileira serve de pano de fundo a uma história de amor. (SKOOB)

Oi, genteeeeee!
Olha eu aqui de volta com mais um dica de leitura MA-RA-VI-LHO-SA.

Há muito tempo tenho ouvido falar de Jorge Amado, da forma como ele escreveu, das histórias que são narradas em seus livros e o quanto o escritor faz as pessoas se apaixonarem por seus personagens.
Posso dizer que estou apaixonada? Posso! Pois eu tenho um autor que me fez suspirar a cada página lida.


Publicado pela magnífica Companhia das Letras, 'Gabriela, Cravo e Canela' se inicia nos informando do assassinato de Sinhazinha Mendonça e do dentista Osmundo Pimentel, ambos mortos pelo coronel Jesuíno Mendonça que encontrou a esposa com o amante.

Bem, pela lei de Ilhéus nos anos 20, a sentença para a esposa que traia o marido era a morte, assim como a mesma sentença cabia para o amante, todavia essa lei só era válida para a mulher, se fosse o marido, o assunto era outro.

E nesse mesmo dia o sírio Nacib perde a sua cozinheira, que decide ir morar com os filhos, deixando o patrão na mão bem perto de cumprir uma encomenda para um jantar importante.
Enquanto na cidade as pessoas comentavam sobre as mortes, o sírio segue atrás de uma nova cozinheira e depois de muito procurar e cansado de tanto procurar, decide contratar uma jovem que veio junto com alguns retirantes a procura de trabalho. Essa jovem, é Gabriela. Se chama Gabriela mesmo, pois não tem registro de nascimento, não sabe o sobrenome, a idade, não sabe nem em que estado nasceu, sabe que foi no nordeste, mas o estado, sabe não.
- E você não tem vontade de ser uma senhora, mandar numa casa, sair de braço com seu marido, vestir do bom e do melhor, ter representação?
- Era capaz de ter de calçar sapato todo dia... Gosto não... De calçar sapato. De casar com seu Nacib era até capaz de gostar. Ficar a vida toda cozinhando pra ele ajudando ele... - Página 202
Gabriela, Nacib, Sinhazinha, o dentista Osmundo e até mesmo o coronel Jesuíno vão se juntar a outros personagens que farão a história se desenrolar. Veremos brigas políticas entre Ramiro Bastos, um coronel importante da cidade, e o exportado Mundinho Falcão, vindo do Rio de Janeiro, representam o contraste entre o passado e o futuro.


Vi pessoas falando que o livro retrata do amor de Gabriela e Nacib, mas também vi outras falando que o autor queria retratar era o povo brasileiro e eu cheguei a conclusão que ambos estão certos. Leremos sobre como era imposta uma vida sem escolhas as mulheres, como era gritante o preconceito daquele lugar e como a leitura é importante para ampliar os nossos horizontes, nesse quesito podemos observar Malvina, minha personagem favorita, que lia para poder sonhar com um destino diferente daquele que a aguardava.
Mulher é para viver dentro de casa, cuidando dos filhos e do lar. Moça solteira é para esperar marido, sabendo coser, tocar piano, dirigir a cozinha. - Página 74
Narrado em terceira pessoa e dividido em duas partes, Amado fez com que pudéssemos ver o que se passa com os personagens como um todo, como se estivéssemos de cima e logo a baixo a vida acontecesse. A escrita é leve e engraçada, embora muitas vezes triste também.


Sempre que leio um livro que gosto tento pôr os pontos que me fizeram amar a obra, entretanto, acredito que Jorge Amado é um daqueles escritores que posso recomendar, mas você só saberá quando provar da escrita. Ah, Amado é poesia, gente!

E é suspirando que finalizo a resenha de hoje, desejando que ao ler esta obra você possa se apaixonar também porque é tão bom quando isso acontece.

Um forte abraço e até mais!

COMPRE SEU EXEMPLAR COM UM DOS NOSSOS LINKS E AJUDE O BLOG SEM PAGAR NADA A MAIS POR ISSO

NOTA:

Jorge Amado (1912-2001), baiano de Itabuna, foi um dos mais importantes escritores brasileiros do século XX e um dosmais difundidos em todo o mundo. Seus romances estão traduzidos em dezenas de idiomas e foram adaptados para o cinema, o teatro e a televisão. Entre eles destacam-se Mar Morto, Capitães da Areia, Tenda dos Milagres, Dona Flor e seus Dois Maridos, Tieta do Agreste e Terras do Sem-fim.

Gênero: Drama | Duração: 2h 02min | Distribuidor: Warner Bros | Ano: 2019

Oi, tudo bem?
Eu estava ansiosa para ver o filme do 'Coringa', estou acompanhando pelas redes sociais as gravações desde o início. Em 3 de outubro foi lançado 'Coringa', com duração de duas horas e dois minutos e um enredo muito instigante! Assisti e já vim correndo contar tudo para vocês!


O enredo é sobre Artur Fleck, um morador de Gotham que se sustenta tendo como ofício ser palhaço, faz apresentações em hospitais e também em outros espaços da cidade. Enquanto vive uma rotina imprevisível e cheia de altos e baixos, Arthur não deixa de se dedicar ao seu sonho que é ser um humorista de stand-up.
“Durante toda a minha vida, eu nem sabia se eu existia de verdade, mas eu existo e as pessoas estão começando a perceber.”— Coringa
“A pior parte de ter uma doença mental é que as pessoas esperam que você se comporte como se não tivesse.” – Arthur Fleck.
O protagonista sofre de um transtorno, apesar de no filme isso não receber esse nome, pelo que pesquisei é síndrome do afeto pseudobulbar que gera riso ou choro incontroláveis e totalmente descontextualizados da situação, Arthur tem esse transtorno e confesso que as gargalhadas foram assustadoras para mim, inclusive o ator tem uma presença de cena que faz com que cada momento em que acontece o surto de gargalhadas, seja tão intenso e tão assustador que o telespectador não tem nem coragem de rir junto, pois fica claro que é uma doença.


Arthur tem uma relação muito complicado com as pessoas que o cercam, visto que ele se sente meio que invisibilizado em uma sociedade tão hipócrita, principalmente em relação às pessoas que sofrem de doenças mentais, na minha opinião essa é a maior crítica desse filme, mas ele carrega tantas outras críticas que é difícil não se impactar a cada cena.

Acompanhamos ao longo da trama Arthur cuidando de sua mãe que já está muito idosa, ele não sabe quem é seu pai biológico, mas a partir do momento que essa questão aparece no enredo, Arthur se mostra cada vez mais insano, gostei de como o filme relata a família desajustada, Arthur é o retrato de muitas pessoas que passaram por situações assim, claro que ele ser mentalmente doente agrava ainda mais o peso disso para ele.


O filme apresenta alguns personagens, além de Arthur e todos eles têm sua importância para a história. Fiquei impressionada como o jogo de atores em cena é bem feito, cada fala tem seu teor de crítica, acredito que a DC acertou demais em mostrar um filme de hiper realista, que toca em assuntos que a sociedade não quer ter em foco. Eu arrisco dizer que o enredo foi feito para realmente incomodar, fazer com que o telespectador reflita sobre doenças mentais, questões familiares, abusos e de como as pessoas são influenciáveis.


Um ponto alto na narrativa é a mudança da própria cidade que vai de mal a pior, Arthur Fleck que sempre foi maltratado por todos reage quando um trio de garotos tentam o agredir no metrô e o desfecho é o assassinato deles, a partir daí a sociedade começa a endeusar o palhaço misterioso que matou três riquinhos, vemos então essa atitude de Arthur levantar um movimento de pobres contra ricos, muito assustador, porém real.

Eu assisti ao filme, o tempo todo hipnotizada pelo ator principal, Joaquin Phoenix é extraordinário, a construção do personagem é crescente e a cada cena o ator mostra um lado de Arthur que desconhecemos, um personagem multifacetado, intenso e a melhor palavra para defini-lo seria insano. Eu estou aqui sentada só aguardando o Oscar para esse ator, simplesmente maravilhoso.

Deixo o aviso que 'Coringa' não é um filme de anti-heróis, 'Coringa' é sobre transtornos mentais e suas consequências dentro de uma sociedade cada vez mais egoísta, são muitas temáticas dentro do enredo e todas elas são dolorosas em um alto nível. 'Coringa' tem cenas violentas, contém palavras de baixo calão e sei que em vários lugares do mundo policiais assistem ao filme disfarçados a fim de agirem caso alguém tente algum tiroteio ou qualquer ato de violência nas salas de cinema.


Eu amei o filme, pois ele me fez colocar a mão não consciência, principalmente no que se refere a transtornos mentais. Indico Coringa para quem quer sair do cinema com o queixo caído e repensando sobre nossa sociedade. Um filmaços e que venha o Oscar!

Ahhhh, não levem as crianças, não é apropriado, o filme é perturbador.

Para saber sempre que um post novo for ao ar basta acompanhar nossas redes sociais
TWITTER ♥ INSTAGRAM  FACEBOOK  YOUTUBE  TUMBLR  G+   SNAP: AMIGADALEITORA

Título Original: Serpentário
Autor: Felipe Castilho
Editora: Intrínseca
Ano: 2019
Gênero: Fantasia / Ficção científica / Horror / Literatura Brasileira
Páginas: 368
Comprar: Amazon; Submarino; Americanas; Shoptime

Sinopse: Todo ano, Caroline, Mariana e Hélio costumavam deixar a capital paulista para encontrar Paulo, um jovem habituado à simples vida caiçara. No entanto, a amizade construída nas areias do litoral sofreu abalos sísmicos no Réveillon de 1999, quando algo tão inquietante quanto o bug do milênio abriu caminho para uma misteriosa ilha que despontava no horizonte, e explorá-la talvez não tenha sido a melhor decisão. Sobreviver à Ilha das Cobras tem um preço. O arquipélago é um ambiente hostil, tomado por víboras, e esconde segredos tão perturbadores quanto seus habitantes. Mais do que um equívoco darwiniano ou uma lenda popular, a ilha praticamente destruiu a vida deles. Entre memórias e fatos fragmentados, o que aconteceu naquela fatídica noite se tornou um mistério. Mas de algumas coisas eles se lembram perfeitamente: uma enorme e ameaçadora serpente, além de uma pessoa sendo entregue ao ninho da víbora, um sacrifício sem chance de recusa. Anos depois, Caroline é confrontada com um de seus piores pesadelos: a pessoa que eles abandonaram está viva. Um fantasma do passado que surge para fazer suas certezas caírem por terra. Então, ela decide reunir os amigos para entender o que aconteceu. E talvez o encontro seja parte de algo maior... e maligno. Em Serpentário, Felipe Castilho mostra todo o seu talento ao mesclar referências do folclore e da mitologia a elementos da cultura pop, da ficção científica e do horror. (SKOOB)

'Serpentário' é o recente lançamento do autor Felipe Castilho, publicado pela Editora Intrínseca, além de ser meu primeiro livro nacional fora dos clássicos escolares.

A história começa com quatro amigos Caroline, Hélio, Mariana – que vivem em São Paulo – e Paulo que vive no litoral, todo final de ano eles vão passar o réveillon na Praia da Baleia e é na virada do ano de 1999 que eles vão passar por uma experiência traumática na Ilha das Cobras que resulta no afastamento dos amigos e na morte de Paulo.

Dezenove anos depois, Carol, traumatizada por esses eventos e com a mente se deteriorando cada vez mais, descobre que Paulo está vivo e planeja um reencontro entre os amigos para enfim entenderem o que houve naquele dia na Ilha das Cobras e o que aconteceu com Paulo após ser abandonado por eles.
Estar ali era um erro, pois ninguém a ajudaria a sair do inferno que se tornara sua cabeça. - Página 91

Primeiramente gostaria de dizer que esse livro traz características de muitos gêneros, com destaque para o suspense sobre o que realmente houve com Paulo, e o realismo mágico no qual muitas vezes o leitor não tem ideia se o que está lendo é fruto da imaginação ou um acontecimento real. Felipe trouxe críticas muitos atuais na qual ele aborda racismo, pobreza, preconceito, religião e homofobia; tudo isso de forma bastante consciente e como muitas vezes os personagens tiveram que abrir mão de si mesmos ao longo da vida por conta das convenções sociais.

Os capítulos são alternados por interlúdios nos quais o autor traz mais informações sobre a Ilha das Cobras através de histórias que inicialmente parecem aleatórias, mas à medida que o livro flui se conectam com a história principal. Além disso, ocorre uma alternância entre passado e presente e esse artifício muitas vezes fez com que eu ficasse cada vez mais ansiosa, pois o autor sempre terminava de forma instigante e assim eu fiquei presa querendo saber o que tinha acontecido na Ilha ao mesmo tempo que ficava chocada com as mudanças drásticas dos personagens na atualidade.


Com relação ao final, fica o aviso de que o autor não nos dá todas as respostas, pelo contrário o próprio autor nos esclarece que esse livro provém da “cultura inútil”; mas não se engane as questões abordadas são de suma importância. De bônus o autor faz uma crítica sobre a nossa situação política e para quem for da década de 90/2000 existem algumas referências pop.
A peçonha que desgraçara sua vida vinha dela mesma. - Página 337
O livro está super indicado, porém com a ressalva de que nem todos se agradarão por não haver um grande mal a ser combatido e deixar o leitor sem respostas prontas, foi uma experiência incrível principalmente porque sou leitora assídua de fantasia.

COMPRE SEU EXEMPLAR COM UM DOS NOSSOS LINKS E AJUDE O BLOG SEM PAGAR NADA A MAIS POR ISSO

NOTA:

Felipe Castilho é autor de livros de fantasia, além de roteirista. Famoso pela série O legado folclórico, que une mitologia brasileira ao mundo de videogames, foi indicado ao prêmio Jabuti 2017 pelo quadrinho Savana de pedra, criado em parceria com Tainan Rocha e Wagner William. Também escreveu Ordem vermelha: Filhos da Degradação, seu primeiro livro publicado pela Intrínseca, ambientado no universo cocriado junto a Rodrigo Bastos Didier e Victor Hugo Souza. Mora em São Paulo, onde gosta de visitar lugares chiques usando chinelo.