Título Original:
Killer Clown - The John Wayne Gacy Murders 
Autor: Terry Sullivan & Peter Maiken 
Editora: DarkSide Books 
Páginas: 424 
Ano: 2019 
Gênero: Crime / Não-ficção 
Comprar: Amazon 
Sinopse: O palhaço Pennywise, de It: A Coisa, é apenas uma ficção macabra perto de Pogo, o alter ego de John Wayne Gacy. Cidadão modelo. Empresário de sucesso. Voluntário do hospital. Um dos assassinos em série mais sádicos de todos os tempos. Poucas pessoas podiam ver o monstro cruel sob a maquiagem colorida de palhaço que Gacy usava para entreter as crianças. Poucas pessoas podiam imaginar o que estava enterrado em sua casa de horrores. Quando um adolescente desapareceu pouco antes do Natal de 1978, Gacy foi detido e uma equipe de investigadores foi enviada até sua casa com um mandado de busca. Enquanto vasculhavam o local procurando por pistas, toparam com indícios cada vez mais comprometedores e sinistros. O promotor do caso, Terry Sullivan, começava então a maior caçada de sua carreira. Sullivan reconstruiu a investigação — de registros de violência no passado de Gacy à horrível descoberta de mais de trinta vítimas atribuídas ao assassino e ao chocante relato de testemunhas oculares — para levar o leitor ao centro de um julgamento e seus desdobramentos. Killer Clown Profile: Retrato de um Assassino, novo livro da linha Crime Scene®, da DarkSide® Books, traz detalhes de investigações e audiências de John Wayne Gacy pela voz de quem caçou e prendeu o assassino em série brutal. Capítulo a capítulo vemos o caso se desenrolar, e as duas faces de Gacy — a do empresário bem-sucedido que ainda encontrava tempo para se dedicar aos interesses da comunidade e aquela que os psiquiatras nomeados pelo tribunal pintaram em seu julgamento — se mesclarem. Raramente é possível fazer um retrato tão profundo e fiel de um monstro. A história de Gacy veio à tona e perturbou profundamente os moradores de Chicago. Como confiar novamente nas figuras que os rodeavam? O julgamento foi repleto de depoimentos e conjecturas obscenas da defesa, mas terminou com Gacy condenado à morte. Ele aguardou a execução de sua sentença por catorze anos, e usou seu período de isolamento para pintar diversos quadros (palhaços, autorretratos, figuras religiosas e bastante polêmicas), muitos dos quais foram vendidos — outros tantos queimados. Poucos anos depois da condenação de Gacy, as pessoas viriam a se assustar novamente com palhaços, mas dessa vez na ficção: Stephen King lançou It: A Coisa em setembro de 1986, deixando para sempre a imagem perturbadora do palhaço Pennywise na mente de todos. Apesar de nunca ter confirmado a inspiração, os fãs do escritor de coração assombrado relacionam a origem do personagem com o visual de Gacy. E para quem sofre de coulrofobia, meio sorriso distorcido pela maquiagem excessiva já basta para causar pesadelos. Killer Clown Profile: Retrato de um Assassino não pode faltar na estante dos darksiders. A Coleção Profile, da linha Crime Scene®, já publicou Ted Bundy: Um Estranho ao Meu Lado e BTK Profile: Máscara da Maldade, obras completas para quem quer investigar a mente dos psicopatas. O trabalho de Terry Sullivan e seu coautor, Peter T. Maiken, revelam os detalhes do caso de Gacy com uma narrativa envolvente e informativa que os verdadeiros fãs de true crime apreciam. (SKOOB)

'Killer Clown Profile: Retrato de um Assassino' é um livro de não-ficção lançado pela DarkSide Books em 2019, escrito por Terry Sullivan que atuou na época como promotor e fez parte de toda investigação do serial killer. 


Em dezembro de 1978 numa farmácia, um jovem de 15 anos, Robert Piest, conheceu o empreiteiro John Wayne Gacy, famoso por contratar jovens rapazes e pagar-lhes bons salários, e até então considerado um cidadão acima de qualquer suspeita. Entretanto, Rob jamais voltou desse encontro e a partir daí a polícia de Des Plaines revirou todo o passado de Gacy e se deparou com um dos maiores serial killers da história dos Estados Unidos. 
Trata-se de um crime da vida real. Aqueles assassinatos não são ficção. Aconteceram de verdade. Esse caso sempre fará parte da história de Chicago e dos Estados Unidos. As pessoas vão querer saber o que movia Gacy. - Página 362
Quero começar dizendo que eu tinha toda uma ideia sobre o que o livro falava, mas fiquei em dúvida se realmente seria uma leitura de que eu gostaria. E que bela surpresa não foi me ver cada vez mais envolvida nessa história. Logo nas primeiras páginas acompanhamos o sequestro de Rob Piest e somos instigados a tentar entender o que houve com ele, a cada página eu me via presa na história e superatenta aos relatos dos personagens, para tentar montar uma linha do tempo sobre o que ocorreu naquela noite. 

Eu amo séries policiais e não demorou muito para que eu estivesse envolvida na história, foi muito interessante acompanhar todo o processo jurídico, até então eu tinha uma ideia muito errada sobre o funcionamento da justiça americana, todas as minhas informações vinham das séries, mas é importante ressaltar que a história acontece em 1978, de modo que criminologia forense era mais arcaica, nas próprias notas o autor revela que existiram criminosos soltos pois não tiveram seus direitos lidos, parece absurdo não? 


Acho que o que mais me impactou foi ver toda a interação da polícia com Gacy, eles passaram horas em frente à sua casa vigiando-o (e não é nada glamoroso como Hollywood nos mostra) e chegaram até a dividir refeições, muitas vezes o próprio assassino desabafou com eles, isso me deixou muito assustada, afinal depois de assassinar 33 pessoas ele se declarou inocente por diversas vezes e era até então uma pessoa como qualquer outra e para o espanto das autoridades, chegou a ficar frente a frente com a primeira dama. 
John Wayne Gacy sempre será fascinante porque, por trás da fachada de pessoas comum, se escondia um monstro terrível. - Página 371
Muitas vezes durante a leitura precisei fechar o livro e chorar, diversos relatos foram chocantes e embrulharam o meu estômago, o que esses jovens sofreram e a destruição de tantas famílias me deixou nauseada. É impossível não sentir empatia e se questionar sobre a situação, crianças e jovens tiveram sua vida ceifada por um simples capricho de um assassino que jurou até o último minuto estar certo em suas atitudes. Foi incrível acompanhar toda a investigação e ver o comprometimento da polícia, por meses a vida destes policiais girou em torno desse crime e nas últimas páginas o autor encontra alguns de seus ex-companheiros e foi muito interessante ver a percepção de cada um deles tantos anos depois do ocorrido. 

Ainda hoje existem corpos que permanecem sem identificação, o próprio Gacy disse não se lembrar de todas as vítimas e na época muitos jovens que desapareciam eram classificados no sistema como fugidos de casa. Esse livro foi uma experiência única e me levou do céu ao inferno com tantas emoções, não recomendo para todos por conta dos diversos relatos de pedofilia, abuso sexual e físico, tortura e extrema homofobia. Enfim, gatilhos não faltam, mas quem puder dê uma chance a essa história, saia da sua zona de conforto e venha conhecer todas as barbáries de que o ser humano é capaz, esse livro me marcou e estou ansiosa para ler outros livros com o mesmo tema.


NOTA:

Terry Sullivan foi o promotor responsável pela investigação e pela prisão de John Wayne Gacy e uma das peças-chave da acusação em seu julgamento. É presidente do The Sullivan Firm, um escritório de advocacia com filiais em Rolling Meadows e Chicago. Hoje advogado autônomo, atua há dez anos como analista jurídico na emissora WGN-TV, de Chicago, Illinois, e e já participou de inúmeros programas locais e nacionais de rádio e televisão. Fez análises de casos de grande repercussão e dos julgamentos de O. J. Simpson, William Balfour, Drew Peterson e Saddan Hussein. 
Peter Maiken iniciou sua carreira no jornalismo ao trabalhar no jornal de Illinois e depois se juntou ao Chicago Tribune em 1963 como um dos editores. Publicou seu primeiro livro, Rip Off, em 1979, e quatro anos depois escreveu Killer Clown Profile: Retrato de um Assassino em parceria com Terry Sullivan. Em 1989 publicou seu terceiro e último livro, Night Trains. Ainda que não tenha sido músico profissional, foi pianista de jazz e tocava despretensiosamente em alguns lugares. Morreu em 2005, aos 71 anos, após uma batalha contra o câncer de pulmão.

Título Original:
A Reaper At The Gates 
Autora: Sabaa Tahir 
Série: Uma Chama entre as Cinzas #03 
Editora: Verus Editora 
Páginas: 434 
Gênero: Fantasia/ Jovem Adulto/ Literatura Estrangeira 
Ano: 2020 
Comprar: Amazon

Sinopse: Dentro e fora do Império Marcial, a ameaça de guerra é cada vez maior... Helene Aquilla, a Águia de Sangue, está sendo atacada de todos os lados. Enquanto procura uma maneira de conter a escuridão que se aproxima, a vida de sua irmã — assim como a de todos os cidadãos — corre risco. Assombrado pelo passado, o imperador Marcus se torna cada vez mais instável e violento, e a comandante Keris Veturia aproveita a loucura dele para aumentar o próprio poder, deixando uma carnificina em seu caminho. Longe do Império, Laia de Serra sabe que o destino do mundo não depende das conspirações da corte marcial, e sim de alguém que consiga deter o Portador da Noite. Mas, enquanto procura um jeito de derrubá-lo, Laia enfrenta ameaças inesperadas e é atraída para uma batalha que nunca imaginou que precisaria lutar. Enquanto isso, na terra entre os vivos e os mortos, Elias Veturius abriu mão da liberdade para servir como Apanhador de Almas. Mas, ao fazer isso, se entregou a um poder ancestral disposto a qualquer coisa para garantir sua devoção — mesmo que isso signifique abandonar a mulher que ele ama. Um assassino nos portões vai deixar os leitores implorando pelo desfecho desta série ágil e cheia de reviravoltas arrepiantes. (SKOOB)

'Um Assassino nos Portões' é o terceiro livro da série 'Uma Chama entre as Cinzas' da autora Sabaa Tahir que vem sendo publicado pela Verus Editora aqui no Brasil. Os livros estão sendo relançados com capas novas que mostram a diversidade dos personagens. E se tratando do terceiro livro essa resenha pode conter SPOILERS dos anteriores. 


Depois de anos com esses livros encalhados na estante e acreditando totalmente que era uma trilogia, participei de uma Leitura Coletiva e finalmente dei início a essa série. E que jornada incrível, meu Deus.

A história começa algum tempo depois do fim do volume anterior (resenha aqui), Laia e Darin são agora refugiados no Lugar de Espera, enquanto Elias começa seu treinamento com Shaeva para se tornar de fato o Apanhador de Almas. Já Helene ainda está se adaptando ao seu posto de Águia de Sangue, afinal Marcus está cada vez mais sádico e a Comandante está à espreita, tecendo alguma trama nas sombras e pronta para destruir o Império se lhe convier. 

A narrativa ainda segue alternada entre os três protagonistas, mas é notório que a cada volume a Sabaa dá mais destaque a um deles e esse livro definitivamente é da Helene. Ao passo que Laia e Elias estavam em maior foco, o Império sempre era visto como algo vil que precisava a todo custo ser destruído, mas a partir de agora o leitor passa a ter outra visão dos Marciais, é lindo ver o patriotismo da Helene e o quanto ela está disposta a se sacrificar pelo seu povo, você sente a angústia da personagem e posso garantir que sofri em todos os momentos. 
Há o sucesso. - digo - E há o fracasso. O terreno entre os dois é relegado aqueles fracos demais para viver. O deser primeiro, até a morte. - Página 400

Essa continuação mantém o ritmo mais acelerado dos livros anteriores, por diversas vezes tive que me segurar para não ultrapassar as metas diárias da leitura conjunta, todos os personagens tiveram um grande crescimento e durante todo livro o leitor se questiona: o que o Portador da Noite está planejando? Esse é um dos meus vilões preferidos, em nenhum momento você sente que ele é caricato, pelo contrário, eu entendi todas as suas motivações, ainda que não concordasse com as ações que ele tomou. Graças aos capítulos narrados por ele e as conversas entre Shaeva e Elias vamos entendendo o que ouve com os djinns e o porquê da destruição do Império Erudito. 
A vingança do Portador da Noite foi prevista há muito tempo. - Página 225
Sabaa Tahir também aprofunda mais o mundo criado por ela, conhecemos diversos lugares e culturas que estão subjugadas pelo poder bélico dos Marciais, apesar de estarem numa situação um pouco melhor que os Eruditos, esses povos não estão enganados e sabem que a qualquer momento eles podem ser os próximos caçados. Sendo apaixonada por fantasia, eu amo quando o autor vai explicando toda a magia que permeia o mundo e como exatamente ela é regida, e Sabaa não faz nada disso, mas calma que isso não é ruim de forma alguma; na verdade as partes fantásticas são um charme a mais na história e a diversidade de lendas nas quais ela se inspirou está refletida nos Tribais, Navegantes e Eruditos.
Essa é uma história recheada de violência, mas em momento algum senti que foi algo gratuito, a autora fez isso justamente para representar o sofrimento de seu povo e a cada capítulo eu ficava temendo pelos personagens, os Marciais são claramente inspirados no Império Romano, por isso lutas sangrentas são um elemento crucial da narrativa. 

O que mais me cativou foi o talento da autora ao criar personagens tão humanos, eu tive um forte sentimento por todos eles – de amor a ódio – e foi incrível ver cada um conquistando o seu espaço. Se você gosta de criar teorias enquanto lê, esse é um livro perfeito, durante os nossos debates criamos várias hipóteses, fomos bem-sucedidos em alguns casos e em outros quebramos a cara, as revelações que a Sabaa faz me deixaram de queixo caído e sofrendo pelo próximo livro, vem muita coisa boa por aí. 

Esse livro está recomendadíssimo! E a série como um todo virou uma das minhas séries de fantasia favoritas da vida, dê uma chance a Sabaa Tahir e a esse universo espetacular que ela criou, você não vai se arrepender. O último livro sai no primeiro semestre de 2021 e as novas edições são para ficar admirando na estante, terminei esse livro em prantos e clamando pelo próximo. Quem for fã de fantasia, vai ser arrebatado por essa história. 


NOTA: 

OUTROS LIVROS DA AUTORA RESENHADOS NO BLOG:

 

Sabaa Tahir cresceu no deserto de Mojave de Califórnia em motel 18 quartos de sua família . Lá, ela passou seu tempo devorando romances de fantasia , invadindo esconderijo de quadrinhos de seu irmão e tocar guitarra mal. Ela começou a escrever uma brasa nas cinzas enquanto trabalhava noites como um editor de jornal . Ela gosta de indie rock estrondoso , meias berrantes e todas as coisas nerd. Sabaa atualmente vive em área da Baía de San Francisco com sua família.


Oieee, gente! Tudo bem?

Hoje eu estou muito feliz, pois acabei de ver na Netflix o documentário "Minha História", sobre a vida e obra da Michelle Obama, inclusive recomendo demais o livro de mesmo nome que resenhei aqui no blog e que está entre meus livros favoritos da vida. 

Minha história mostra a turnê de lançamento do livro de Michelle, ela é acompanhada pelas cidades que passa para falar de seu livro, mas o documentário é sobre toda a trajetória de vida dessa mulher incrível, mesmo antes dela ser a primeira-dama dos EUA, isso é o mais encantador, pois vemos que ela sempre lutou por seus objetivos, realmente tudo muito inspirador!

A cor da nossa pele nos torna vulneráveis.


Acompanhamos relatos da família e amigos de Michelle, pouco a pouco vamos vendo fotos, lugares e pessoas relacionadas a vida dela, isso foi um ponto que me emocionou muito, pois cada palavra é dita com muito amor, é notável a admiração que todos têm por Michelle. Ela mostra o amor que tinha pelo pai, isso me emocionou demais no livro e no documentário senti a mesma emoção, ressalto que vários pontos do livro aparecem na versão para a tv e com a mesma veracidade.

Não sei se um dia acreditei que a vida era justa, mas sempre achei que com esforço seria possível escapar de praticamente qualquer problema. 


Michelle fala sobre como foi seu encontro com Obama, não vou revelar aqui, pois considero que é melhor você mesmo ver, eles mostram como decidiram sonhar juntos e enfrentarem tudo sem nunca largar a mão um do outro, Michelle fala do processo das eleições e de como foi julgada pela mídia, mas que mesmo assim teve a chance de mostrar quem ela era, muito mais que a mulher do presidente, ela tinha sua própria história. As aparições de Barack Obama durante o documentário são poucas, porém muito fofas, sério, ele é totalmente apaixonado por Michelle e fala da importância que ela teve nas eleições e que tem em sua vida, apaixonante! 


O documentário é um resumo da grandiosidade que representa a obra de Michelle Obama, em vários momentos ela conversa com outras mulheres, maioria delas representantes de minorias (negras, imigrantes...), ouvia as histórias delas, Michelle é um exemplo para outras mulheres e isso é mostrado de maneira muito clara pelo documentário. A força da mulher é um aspecto explorado nesse enredo da vida real, como já dito, mostra a história de Michelle e de outras tantas mulheres. Ahhhh, você vai conhecer uma Michelle real, engraçada, apoiadora de outras mulheres e de várias causas sociais.

Sua história é o que você tem, o que você sempre terá. É algo para se orgulhar. 


O documentário é rápido, fiquei com vontade de que fosse uma série, se você gosta da Michelle ou já leu o livro talvez tenha essa essa mesma sensação. A verdade é que é tão interessantes que quando dei por mim, já tinha acabado. Recomendo demais 'Minha História' (tanto o documentário quanto o livro), você com certeza irá ficar encantado com a maestria de Michelle e toda sua história.

Pretende assistir à Minha História?
Correeee para a Netflix!

Até breve!

Para saber sempre que um post novo for ao ar basta acompanhar nossas redes sociais
TWITTER ♥ INSTAGRAM  FACEBOOK  YOUTUBE  TUMBLR

Jamais peço desculpas por me derramarTítulo Original: Jamis peço desculpas por me derramar
Autor: Ryane Leão
Editora: Planeta
Páginas: 160
Gênero: Literatura brasileira/ poesias
Ano: 2019
Comprar: Amazon

Sinopse: Segundo livro de Ryane Leão, mulher preta, poeta e professora, criadora da página Onde jazz meu coração, com mais de 600 mil seguidores nas redes sociais. Seu primeiro livro, Tudo nela brilha e queima, já vendeu mais de 40 mil exemplares. Mesmo na correria, eu sigo em busca das sutilezas. Não posso deixar as distrações passarem batidas. O peso do mundo não vai tomar conta de minha pele se eu me atentar às brechas, às margens. Anteontem eu vi o mar. Recebi abraços apertados que me agradeceram pelos poemas que escrevo com o coração na ponta dos dedos. Hoje de manhã as folhas das árvores balançaram com o vento e o barulho foi tão bonito. Daqui a pouco começo a cozinhar porque vou receber em casa as pessoas que amo. Quero saber de cor o que me traz paz, embora não sejam permanentes as belezas. O caos também não é. E eu estou mudando a cada minuto, então tudo bem. Há algo que resiste por entre os escudos, que me relembra que existe uma coisa essencial em ser uma mulher que se reconstrói diariamente: eu sou profunda demais pra acabar. – Ryane Leão (FONTE)

Oieeee, gente! Tudo bem?

'Tudo Nela Brilha e Queima', da autora Ryane Leão entrou para minha lista de livros favoritos, obra de poesia repleta de sentimentos. Quando vi que a Editora Planeta estava lançando o segundo livro de Ryane, já fiquei mais que ansiosa para fazer essa leitura. 'Jamais Peço Desculpas por me Derramar' foi uma leitura icrivel que segue o mesmo estilo do anterior.


'Jamais Peço Desculpas por me Derramar' é uma coletânea de poesias e poemas que retratam assuntos que afetam a todos nós, farei uma listas de temas abordados abaixo:
  • Amor não correspondido 
  • Términos 
  • Perdas 
  • Amor próprio 
  • Emponderamento feminino 
  • Solitude 
  • Dor 
  • Depressão 
  • Felicidade 
  • Recomeços 
  • Frustrações 
  • Experiências 
  • Expectativas
São variados os temas e as poesias são fortes, perfuram nossa alma e outras servem como um bálsamo, cada texto que li teve efeito imenso sobre mim, sou leitora assídua desse gênero e sei o que a força da palavra é capaz de fazer. A autora escreve com a alma, a cada página eu me sentia ainda mais envolta, sentia que eu também passei por muitas coisas que ela passou, impossível ler Ryane sem se identificar com a profundidade de seus sentimentos.


O livro é curto, acho que poderiam ter mais páginas, ele tem 160 páginas, mas confesso que eu queria muito muito mais, devorei o livro em um dia e fiquei com gosto de quero mais, inclusive fiz uma releitura na mesma semana (hahaha)! Livros de poesia como o de Ryane são intensos e levam o leitor a uma ótima reflexão, tão bom se reconhecer nas palavras de outra pessoa e acabar a leitura querendo mais, aliás se tivesse mais de 300, provavelmente eu ainda acharia pouco (hahahah)! 

A temática que mais gosto é a de empoderamento feminino, a força da mulher e o surgimento do amor próprio, Ryane tem versos fortes sobre autodescoberta, frases profundas sobre como se valorizar e ter em mente que você é sua melhor amiga. Acredito que ter mulheres com tamanha voz poética e que falem para mulheres é de intensa relevância.


A edição da Planeta é lindíssima, uma capa verde e com o desenho de uma mulher, que com certeza retrata a própria autora, achei lindíssima a escolha da capa! Esse livro tem uma edição parecida com a anterior, 'Tudo Nela Brilha e Queima', acho legal porque ficam os dois bonitinhos juntos na estante.

A fim de que você se delicie um pouco, irei deixar quotes maravilhosos desse livro, mas com certeza ele tem muito mais a oferecer, lembrando que tem uma gama imensa de assuntos:
Todas as revoluções que desejo começaram em mim. - Pág 7
Que nada possa me limitar, me segurar, me fazer menos presente. - Pág 10
Se sou furacão então posso destruir antes de ser destruida. - Pág 11
Só permanece quem é de mergulhar. - Pág 14
Se estou de pé é justamente porque me permito à queda livre. - Pág 15
Recomendo demais a leitura, e aí você já leu algo da autora? 
Ficou com vontade de ler? 
Gosta de poesia?
Contaaaaa tudo!


NOTA:

Ryane Leão é mulher preta, professora e poeta cuiabana que vive em São Paulo. Publica seus escritos em lambe-lambe e pela internet com o projeto Onde jazz meu coração. Além disso, escreve em blogs e páginas autorais há mais de 10 anos e recita seus poemas nos saraus e slams da cidade. Seu trabalho é pautado na resistência das mulheres e focado na luta e no fortalecimento pela arte e pela educação. A autora também é do axé.

Título Original: 
Eleanor & Park
Autor: Rainbow Rowell
Editora: Seguinte
Páginas: 360
Gênero: Literatura Estrangeira / Romance / Infantojuvenil 
Ano: 2020
Comprar: Amazon

Sinopse: Uma das maiores obras da literatura jovem contemporânea em nova edição. Eleanor é nova na cidade. Com roupas inusitadas, cachos ruivos indomáveis e uma família problemática, ela sente que nunca vai conseguir se encaixar. Park senta sozinho no ônibus da escola. Sempre de camiseta preta, fones de ouvido e a cabeça enfiada num livro, acha que consegue passar despercebido. Mas não para Eleanor. Aos poucos, entre fitas cassetes gravadas, pilhas de histórias em quadrinhos e conversas até tarde da noite, Eleanor e Park se apaixonam. Narrada durante o ano letivo de 1986, essa é a história de dois jovens de dezesseis anos que, mesmo sabendo que o primeiro amor quase nunca é para sempre, têm coragem e esperança suficientes para tentar. “Eleanor & Park me lembrou não só como é ser jovem e se apaixonar por uma garota, mas como é ser jovem e se apaixonar por um livro.” — John Green, autor de A culpa é das estrelas * Best-seller do New York Times. * Livro de honra do Michael L. Printz Award (2014). * Vencedor do Boston Globe-Horn Book Award de melhor livro de ficção (2013). * Escolhido como um dos melhores livros juvenis pela Publishers Weekly (2013). * Escolhido como um dos melhores livros juvenis pelo New York Times Book Review (2013)(SKOOB)

A Editora Seguinte é a mais nova casa da renomada autora Rainbow Rowell, com isso os seus livros anteriormente lancados aqui no Brasil, ganharam capa, edição, revisão e tradução novas. Isso tudo me animou muito para fazer uma releitura (coisa que eu nao costumo fazer) de 'Eleanor & Park'.


Pra quem não sabe nossa história se passa no ano de 1986 e aqui vamos conhecer Eleanor, a garota nova da escola, como se isso já não fosse motivos para atrair alguns olhares, seus cachos ruivos indomáveis e suas roupas chamativas vão garantir que a garota se torne o maior alvo de bullying do momento. 

Do outro lado dessa história temos Park, um garoto Coreano viciado em música e histórias em quadrinhos. Park também seria um alvo fácil se não fosse o fato de morar a vida inteira na mesma cidade e conhecer o bairro todo. Mas é no momento em que ele cede o lugar vago ao seu lado para Eleanor, que nossa narrativa vai de fato começar.

Entre idas e vindas da escola esses dois adolescentes irão dividir histórias em quadrinhos, fitas cassetes, problemas familiares e muito sentimento. Entre as idas e vindas da escola Eleanor e Park irão se apaixonar e fazer o leitor se apaixonar junto também. Porém não se engane, esse não é mais um romance ao estilo contos de fadas, esse é um romance ao estilo vida real e o quão cruel ela pode ser de vez enquanto.


Eu nunca soube decidir qual dos livros da Rainbow é o meu favorito, mas vez ou outra me arrisco dizer que é este! Sou uma leitora com uma lista gigantesca de próximas leituras, mesmo assim decidi reler essa obra e depois de seis anos desde que li pela primeira vez, novamente chorei, me emocionei, odiei e amei, pois 'Eleanor & Park' é o tipo de enredo tem esse impacto. 

O livro é narrado em terceira pessoa, temos a visão de ambos os protagonistas, o que nos permite ter uma perspectiva bem mais ampla do romance. Além disso a história faz várias referências aos anos oitenta, e apesar de eu ter nascido em oitenta e oito, esse é um cenário que me conquista muito.


Ainda assim nem só de flores são feitas esse livro, uma vez que Rainbow toca na ferida e nos introduz em um ambiente tóxico dentro da casa de Eleanor. A garota divide o lar com seus quatro irmãos, a mãe e o padrasto. Richie é um homem cruel e asqueroso, ele bate na esposa, dificilmente esta sóbrio e no ano anterior colocou Eleanor para fora de casa. Infelizmente, a mãe é uma mulher submissa que está vivendo um relacionamento abusivo e por isso não tem real dimensão das consequências que isso tem na vida de sua familia.

Como se tudo isso não fosse pouco na vida de Eleanor, a garota precisa lidar com os ataques de bullying e um romance proibido. Mas não pensem que nossa protagonista é uma garota fraca, pelo contrário, Eleanor é forte, lógico que na sua atual situação é comum chorar de vez enquanto, mas não consigo nem pensar em como eu agiria se estivesse em seu lugar.


Confesso que dessa vez consegui interpretar a leitura e seu polêmico final de uma forma superior, consegui enxergar o que não vi da primeira vez que o li, o que me fez sentir mais leve depois que o finalizei e até arrependida de na minha primeira resenha dizer que não havia um final feliz.

Enfim, foi uma experiência maravilhosa fazer essa releitura, pude notar que amadureci bastante como leitora e que releituras às vezes são sim necessárias.


Com protagonistas desajustados e uma carga enorme de drama familiar, 'Eleanor & Park' continua sendo uma leitura recomendadíssima para aqueles que precisam de uma dose de coragem e esperanca em suas vidas, é o tipo de leitura para aqueles que ainda nao desistiram do amor ou para os que querem reviver a história de um primeiro e grande amor, é o tipo de leitura que nos desperta empatia e nos ensina a não julgar as pessoas sem as conhecê-las.É o tipo de leitura que recomendo para todos vocês que ainda nãoo leram 'Eleanor & Park'.


NOTA

OUTROS LIVROS DA AUTORA RESENHADOS NO BLOG:

    

Rainbow Rowell escreve sobre adolescentes (Eleanor & Park e Fangirl), e às vezes sobre adultos (Attachments e Landline). Mas ela sempre escreve sobre pessoas que falam MUITO! E pessoas que sentem que estão fazendo tudo errado na vida. E pessoas que se apaixonam. Quando não está escrevendo, Rainbow lê quadrinhos, planeja viagens para a Disney e discute sobre coisas que não são muito importantes. Ela vive em Nebraska com seu marido e dois filhos.